Protesto de seguidores de Correa amplia crise com Congresso

Seguidores do presidente do Equador, Rafael Correa, fecharam na segunda-feira o gabinete do procurador-geral em protesto contra o novo ocupante do cargo, indicado pelo Congresso, agravando a crise entre Executivo e Legislativo.O Congresso, onde Correa tem pouco apoio, indicou na semana passada Francisco Cucalón como procurador-geral, com mandato de seis anos. Cucalón é um advogado ligado a Álvaro Noboa, o homem mais rico do país, derrotado pelo nacionalista Correa nas eleições presidenciais de novembro.Correa diz que a nomeação é inconstitucional e argumenta que o Congresso deveria fazer a escolha com base em uma lista aprovada por um conselho independente de juízes. O presidente e seu ministro do Interior, Gustavo Larrea, ameaçaram retirar o novo procurador-geral à força se o Congresso ignorar a lista aprovada.A nomeação de Cucalón provocou protestos imediatos em Quito, e trouxe lembranças de outras grandes crises políticas do país. onde três presidentes foram derrubados por rebeliões populares em uma década.Gritando e agitando bandeiras, dezenas de manifestantes bloquearam na segunda-feira a entrada da procuradoria. O mesmo aconteceu na representação do procurador-geral na cidade litorânea de Guayaquil.Correa, considerado parte do grupo esquerdista do continente comandado pelo venezuelano Hugo Chávez, promete convocar uma Constituinte para, entre outras coisas, eliminar a influência política sobre o Judiciário. Muitos parlamentares são contra."As forças públicas de segurança não foram necessárias, os protestos mostram o descontentamento popular com a nomeação, mas ainda não descartamos o uso das forças públicas", disse Larrea a uma TV local.Segundo a oposição, a nomeação foi constitucional. O novo procurador-geral disse que não vai desistir do cargo.O Equador estava sem procurador-geral desde fevereiro de 2005, quando o governo do então presidente Lucio Gutiérrez enfrentava uma crise política que meses depois o derrubaria. Críticos acusavam Gutiérrez de interferência indevida sobre a Suprema Corte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.