Protesto de taxistas pára trânsito em Caracas

Centenas de choferes de taxis fecharam várias avenidas importantes de Caracas na manhã deste sábado, em protesto pela crescente insegurança na Venezuela. Os motoristas protestavam pela morte, na noite de sexta-feira, de cinco taxistas na capital e outros três no interior do país. O fato provocou um pronunciamento do presidente daquele país, Hugo Chávez.A Polícia Técnica Judicial só admitiu a morte de um taxista na sexta, identificado como Alfredo Abreu, de 29 anos, e a Guarda Nacional dominou o centro da capital, tentando dissuadir os manifestantes, cujo protesto, pacífico, causou graves entraves na circulação de veículos.O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, falou em seu programa de rádio "Alô presidente", transmitido aos sábados, lamentando a morte do taxista, e acusou a mídia de exagerar no noticiário, assegurando que seu governo trabalha "dia e noite" no combate à delinqüência. O presidente assinalou que a insegurança venezuelana é produto de uma "sociedade que vem sendo carcomida ao longo do tempo".Segundo o taxista Carlos Ortiz entrevistado pela emissora de TV Globovisión, desde 1999 já são 150 vítimas entre os taxistas. "O mais triste é que mesmo se o taxista entrega tudo, o dinheiro e o carro, mesmo assim o matam. Não há alternativa", lamentou o taxista Ortiz.A insegurança e a delinqüência são as principais preocupações dos venezuelanos segundo as últimas pesquisas. Durante os fins de semana de setembro e foram registrados 182 assassinatos na Venezuela e em agosto, 326, segundo as cifras oficiais que não incluem vítimas de acidentes de trânsito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.