Protesto do Hezbollah não derrubará governo, diz Saniora

O primeiro-ministro libanês, Fuad Saniora, disse nesta quinta-feira, 30, que não permitirá que protestos clamados pelo grupo xiita Hezbollah derrubem seu governo, alertando que a democracia no Líbano está em jogo. Em um discurso pesado, ele instou os libaneses a se manifestarem em apoio de ser cercado governo, dizendo que somente o Parlamento pode tirar seu mandato. "Não permitiremos a derrubada do sistema democrático, suas fundações e suas instituições ... Vamos ficar em nossos lugares", disse Saniora em discurso transmitido em cadeia nacional de televisão de dentro de seu gabinete, feito na véspera do grande protesto do Hezbollah e de seus aliados, os quais querem a saída dos ministros do Gabinete nacional. "A independência do Líbano está ameaçada e seu sistema democrático está em perigo", afirmou, acrescentando: "Não tenham medo e não se desesperem. Temos uma causa em nosso direito. Ameaças não nos deterão. Manobras e ultimatos não nos aterrorizarão". Saniora, que é apoiado pelos EUA e por uma maioria parlamentar anti-síria, está no meio de uma batalha de poder político contra o Hezbollah, que é apoiado pela Síria e pelo Irã, e seus aliados. Ele também alertou que, enquanto manifestantes têm o direito de se manifestar, seu governo não permitirá "de maneira alguma" quaisquer ataques a propriedades públicas e privadas. Forças de segurança temem que o protesto desta sexta-feira possa resultar em prédios do governo danificados, embora o Hezbollah tenha dito que a passeata será pacífica. Ele disse que os dias que virão serão "decisivos para o futuro e presente do Líbano", pedindo para os cidadãos "apoiarem o governo para preservar a coexistência nacional".

Agencia Estado,

30 Novembro 2006 | 19h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.