Protesto em Buenos Aires acaba em quebra-quebra

Terminou em graves incidentes a manifestação anti-Alca realizada nesta sexta-feira emBuenos Aires.Os incidentes ocorreram no trecho final de uma marcha de protesto que partiu do Congresso, passoupela city financeira portenha e o Palácio San Martín, sede da chancelaria argentina, e tinha como ponto de chegada oHotel Sheraton, onde estava sendo realizado o Sexto Fórum Empresarial das Américas.Mais de três mil manifestantes quebraram as vidraças de bancos, principalmente os estrangeiros, e destruíram cabinestelefônicas, além de queimar pneus à forma de barricadas.Os principais empresários do país e do continente, além dosministros do Comércio das Américas ficaram ilhados durante uma hora e meia.Os manifestantes jogaram pedras e coquetéis molotov nos policiais que estavam protegendo o hotel atrás de grades de aço.Apolícia evitou o contato com os manifestantes, mas jogou gás lacrimogêneo.Essa manobra dispersou os manifestantes, mas acabou tendo efeitos colaterais, já que parte do gás entrou dentro dohotel, causando mal-estar em participantes do Fórum e hóspedes.Além disso, o costumeiro vento vespertino vindo do Rioda Prata fez com que restos do gás chegassem até a Chancelaria, a duas quadras de distância, onde estavam os integrantesdo Comitê de Negociações da Alca.Os protestos começaram tranqüilos no início da tarde, quando a Central dos Trabalhadores Argentinos (CTA) e aConfederação Geral do Trabalho (CGT) dissidente realizaram duas manifestações paralelas, respectivamente na praça doCongresso e na Praça de Mayo, na frente do palácio presidencial.A manifestação organizada pela CTA contou com personalidades dos órgãos de Defesa dosDireitos Humanos argentinos, como o prêmio Nobel da Paz de 1981, Adolfo Pérez Esquivel, e as Avós da Praça de Mayo.Os protestos da CTA incluíram a participação de mais de 200 integrantes da CUT brasileira. Kjeld Jakobsen, secretário deRelações Internacionais da CUT, disse ao Estado em Buenos Aires que a Alca, se for implementada, ?vai ser umdesastre?.Segundo ele, ?está claro que os EUA vão querer nos vender todos seus produtos e não vão deixar que os nossosprodutos entrem em seu território?.Jakobsen afirmou que a polícia argentina proibiu a entrada de 900 brasileiros que vinham a Buenos Aires para asmanifestações: ?Alguns ônibus não puderam sair de Uruguaiana (RS), e outros de Paysandú (Uruguai) para o lado argentinoEles foram barrados sem explicação alguma?.No meio da tarde, deputados do partido Esquerda Unida exigiram explicações ao vice-ministro do Interior, LautaroBatallán, pelo impedimento de entrada na Argentina dos brasileiros.Segundo os deputados Vilma Ripoll e PatricioEchegaray, esse incidente se constitui em ?um conflito diplomático entre a Argentina e o Brasil?.O secretário-geral da CTA, Victor de Genaro, saudou os sindicalistas brasileiros e disse que ?em breve, os trabalhadoresdo Brasil darão a vitória a Luiz Inácio Lula da Silva nas eleições presidenciais?.Coincidindo com as jornadas de protesto, a polícia federal preparou uma operação de simulação deevacuação do Presidente da República para o caso de uma ameaça de bomba na Casa Rosada, o palácio presidencial.Quatrocentos policiais participaram da simulação, que incluiu um sósia do presidente Fernando de la Rúa e umhelicóptero, que trasladou o presidente ?falso? para a segurança da residência oficial de Olivos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.