Oren Nahshon/Reuters
Oren Nahshon/Reuters

Protesto em Israel pretende mobilizar sociedade contra ultraortodoxos judeus

Grupos de esquerda convocaram manifestação em Beit Shemesh contra assédio sexista

Reuters,

27 de dezembro de 2011 | 12h36

JERUSALÉM - Grupos de esquerda israelenses convocaram uma manifestação nesta terça-feira, 27, contra a segregação de gênero imposta por radicais ultraortodoxos em Beit Shemesh, cidade com 90 mil habitantes localizada há cerca de 20 km de Jerusalém e foco da violência radical dos ultraortodoxos judeus nos últimos dias.

 

Veja também:

linkIsrael prende radical que xingou soldada

linkProtesto contra ultraortodoxos reúne milhares

linkSegregação de mulheres causa manifestação

linkPasseata termina com violência em Israel

 

Assim, dezenas de ônibus devem sair de Jerusalém, Tel-Aviv e Haifa com manifestantes rumo à Beit Shemesh. Por outro lado, judeus ultraortodoxos da cidade também devem participar da manifestação.

 

As tensões começaram na última sexta-feira, quando a imprensa do país divulgou a história de uma menina de 8 anos, Na´ama Margolese, que sofria agressões diárias dos ultraortodoxos por 'não se vestir de forma adequada'. Como resposta à reportagem, cerca de 200 judeus ultraortodoxos atacaram uma equipe de um canal de televisão local que cobria os eventos na cidade. Na última segunda-feira, as agressões continuaram quando dezenas de judeus ortodoxos tentaram impedir policiais de retirarem senais em um bairro que pretendia obrigar homens e mulheres a caminharem por calçadas diferentes.

 

O presidente israelense, Shimon Peres, condenou a atitude dos ultraortodoxos, enquanto o primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, pediu medidas para evitar o aumento do fanatismo no país.

 
Tudo o que sabemos sobre:
Israelprotestoortodoxos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.