Protesto por 'mártires' reúne 100 mil na Praça das Pérolas no Bahrein

Manifestantes marcham contra o governo do rei Hamad bin Issa al-Khalifa

Agência Estado e Efe

22 de fevereiro de 2011 | 10h48

MANAMA - Cerca de 100 mil manifestantes, mais de 12% da população de todo o Bahrein, estão reunidos nesta terça-feira, 22, na Praça da Pérola, no centro de Manama em um protesto contra o governo do país, segundo informações do jornal New York Times. Os organizadores esperam que esse ato seja o maior desde o início dos protestos no país, na semana passada.

Veja também:

mais imagens Galeria:   Veja imagens dos conflitos

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

blog Radar Global: Acompanhe os protestos na região

 

"A marcha de lealdade aos mártires" era a inscrição de uma faixa carregada no início da manifestação, que partiu do Shopping Bahrein e seguia até a Praça Pérola, no centro da capital do país mais cedo nesta terça. A praça tem sido o epicentro dos protestos contra o governo, iniciados no dia 14. A faixa trazia imagens dos sete "mártires" mortos pelas forças de segurança. O último deles não resistiu a seus ferimentos e foi enterrado hoje.

Mulheres em véus negros cantavam slogans contra o rei do Bahrein, Hamad bin Issa al-Khalifa. "Abaixo Khalifa", gritava a multidão. Os manifestantes criticam o primeiro-ministro, xeque Khalifa bin Salman, tio do rei Hamad, que está no poder desde 1971 e não tem muito apoio entre os xiitas. A família monárquica que comanda o país é sunita, grupo muçulmano minoritário no país. As informações são da Dow Jones.

 

Libertação

 

O rei al-Khalifa ordenou nesta terça a libertação de alguns prisioneiros políticos, demandada pela oposição, segundo o porta voz do governo, Maysoon Sabkar. Ainda não há informações sobre o número de prisioneiros que serão soltos.

 

Espera-se que alguns dos 25 ativistas xiitas acusados de conspirar contra o governo estejam no grupo. Entre os opositores, está Hasan Meshaima, acusado em ausência e figura proeminente entre os manifestantes, que tem estado exilado em Londres. Mesaima, que pertence ao grupo radial xiita "Haq", deve regressar à Líbia nesta terça-feira para unir-se com os manifestantes na Praça da Pérola.

Tudo o que sabemos sobre:
Bahreinpolíticaprotestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.