Protesto reúne 10 mil no Egito

Egípcios vão à Praça Tahrir, no centro do Cairo, para pedir aceleração das reformas democráticas

Agência Estado

27 de maio de 2011 | 19h23

Egípcios afirmam que 'a revolução não acabou' na Praça Tahrir

 

CAIRO - Cerca de 10 mil manifestantes voltaram nesta sexta-feira, 27, à Praça Tahrir, no centro do Cairo, para o que chamaram de uma "segunda revolução" no Egito, desta vez pedindo que a junta militar que governa o país desde a queda de Hosni Mubarak, em meados de fevereiro, acelere a velocidade das reformas democráticas.

 

Veja também:

especialInfográfico: A lenta agonia de Hosni Mubarak

blog Arquivo: A era Mubarak nas páginas do Estado

lista Perfil: 30 anos de um ditador no poder

 

As pessoas que foram à praça carregaram faixas com os dizeres "A revolução egípcia não acabou" e gritaram o slogan. Cristãos e muçulmanos egípcios participaram dos protestos e vigiavam as imediações e os acessos da praça enquanto seus colegas rezavam, como fizeram no começo do ano nas manifestações que levaram ao fim do regime de Mubarak.

 

Eles também pediram que o julgamento de Mubarak e dos filhos do ex-governante seja acelerado. "Nossa maior falha é que deixamos a praça Tahrir antes de vermos Mubarak sendo julgado dentro de um tribunal", disse Ahmed Shawqi, manifestante de 24 anos. O comparecimento dos manifestantes foi menor que o esperado após a junta militar ter advertido que elementos "dúbios" poderiam tentar provocar o caos durante os protestos. A falta de segurança policial, ironicamente, fez alguns manifestantes se sentirem inseguros.

 

Cerca de 850 egípcios foram mortos pela polícia e por forças governamentais durante o levante contra Mubarak, segundo número do próprio governo. Milhares foram feridos. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.