Protestos anti-China no Vietnã matam 21

Incêndios e saques no sul do país se espalharam para o centro, causando mortes e mais de cem feridos

HANÓI, O Estado de S.Paulo

16 Maio 2014 | 02h07

Pelo menos 21 pessoas morreram ontem no Vietnã em protestos contra a China. Os distúrbios, que começaram na terça-feira no sul do país, foram provocados pela instalação de uma plataforma de petróleo chinesa em águas reivindicadas pelas autoridades vietnamitas. A violência contra fábricas e empresas consideradas chinesas atingiu 22 das 63 províncias do Vietnã. Em outro incidente ligado às manifestações, uma fábrica estrangeira de aço foi incendiada.

O médico de um hospital na Província de Ha Tinh, na região central do Vietnã, disse que cinco trabalhadores vietnamitas e 16 pessoas descritas como chinesas foram mortas na quarta-feira à noite em um tumulto.

"Cerca de cem pessoas foram enviadas ao hospital na noite passada", disse o médico à agência Reuters por telefone. "Muitas eram chinesas. Mais pessoas estão sendo levadas ao hospital hoje (ontem) de manhã."

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Le Hai Binh, confirmou uma morte nos confrontos e descreveu os relatos da imprensa e nas redes sociais sobre um número de vítimas mais elevado como "infundados".

A agência de notícias estatal chinesa, Xinhua, informou que pelo menos dois cidadãos chineses morreram e mais de 100 foram levados a hospitais.

O primeiro-ministro vietnamita, Nguyen Tan Dung, convocou a polícia e as autoridades estaduais e locais para restaurar a ordem e garantir a segurança das pessoas e das propriedades em áreas afetadas. "Medidas adequadas devem ser tomadas imediatamente para ajudar as empresas a estabilizar rapidamente o retorno às atividades normais de produção", disse ele em um comunicado, sem dar mais detalhes.

Fuga. Centenas de chineses fugiram para o Camboja para escapar dos distúrbios no Vietnã, informou a polícia do Camboja. "Ontem (quarta-feira), mais de 600 chineses vieram do Vietnã para o Camboja pelo posto internacional de controle de Bavet", disse à Reuters o porta-voz da Polícia Nacional, Kirt Chantharith.

O Formosa Plastics Group, maior investidor de Taiwan no Vietnã, disse que sua fábrica de aço em construção em Ha Tinh foi incendiada depois de conflitos entre trabalhadores vietnamitas e chineses. Um trabalhador chinês foi morto e 90 ficaram feridos, ele disse em um comunicado em Taipé. Não ficou imediatamente claro se as vítimas estavam entre os internados no hospital Ha Tinh.

A fábrica deverá ser a maior unidade de produção de aço do Sudeste Asiático quando estiver concluída em 2017. Nenhum detalhe sobre os danos causados pelo fogo ou as perdas financeiras foram divulgados.

O parque industrial de Ha Tinh, orçado em mais de US$ 20 bilhões, está com mais da metade das obras prontas. Quando estiver terminado, em 2020, vai contar com um porto, uma usina de 2.100 megawatts e seis fornos, segundo a mídia vietnamita. Essas zonas industriais são o centro da economia do Vietnã, de US$ 138 bilhões. / REUTERS.

Mais conteúdo sobre:
Vietnã China morte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.