Protestos contra a China deixam ao menos 20 mortos no Vietnã

Projeto siderúrgico estrangeiro foi incendiado em meio a crescente onda de tensão

O Estado de S. Paulo,

15 Maio 2014 | 08h19

Motos foram destruídas durante o protesto. Foto: Vnexpress / Reuters

HANÓI - Mais de 20 pessoas foram mortas e um enorme projeto siderúrgico estrangeiro foi incendiado no Vietnã nesta quinta-feira, 15, onde os protestos anti-China se espalharam para o centro do país um dia depois de ataques e saques no sul, de acordo com informações de dirigentes de empresas e médicos. Temendo violência, 600 chineses fugiram para o Camboja.

Um médico de um hospital na província de Ha Tinh, no centro do país, disse que cinco trabalhadores vietnamitas e 16 outras pessoas descritas como chinesas foram mortas na noite de quarta-feira em distúrbios, um dos piores nas relações sino-vietnamitas desde que os dois países se enfrentaram em uma breve guerra fronteiriça em 1979.

"Cerca de cem pessoas foram enviadas para o hospital ontem à noite. Muitas eram chinesas. Muitas outras estão chegando ao hospital esta manhã", disse um médico do Hospital Geral Ha Tinh, por telefone.

Centenas de chineses fugiram para o Camboja para escapar dos distúrbios anti-China no Vietnã, informou a polícia do Camboja. "Ontem mais de 600 chineses vieram do Vietnã para o Camboja pelo posto internacional de controle de Bavet", disse à Reuters o porta-voz da Polícia Nacional, Kirt Chantharith.

De acordo com o porta-voz, eles estão em hospedarias e hotéis em Phnom Penh, e cerca de 100 pessoas permaneceram na cidade de Bavet. "Depois que a situação se acalmar, eles poderão voltar para o Vietnã ou ir para outros lugares", disse

Milhares de vietnamitas puseram fogo em fábricas estrangeiras e provocaram distúrbios em zonas industriais no sul e leste do país, reagindo com fúria à prospecção de petróleo pelos chineses numa parte do Mar do Sul da China reivindicada pelo Vietnã. / REUTERS

Mais conteúdo sobre:
China Vietnã morte

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.