Protestos contra conservadores deixam 8 mortos no Irã

Oito pessoas morreram em choques com a polícia em duas cidades do sul do Irã, em protestos contra os resultados das eleições parlamentares, nas quais os conservadores islâmicos asseguram ter obtido grande vitória sobre os reformistas. Números finais da votação, que foi boicotada pelos reformistas após 2.400 candidatos serem impedidos de concorrer, mostraram a mais baixa participação dos 25 anos de história da República Islâmica.O Ministério do Interior confirmou que 23 milhões de iranianos foram às urnas - 50,7% dos eleitores. O ministério também informou que 172 candidatos conseguiram eleger-se sem a necessidade de um segundo turno, dos quais 122 são conservadores.Segundo dados oficiais, 34 distritos realizarão nova votação, pois nenhum candidato obteve 25% dos votos. Estavam em jogo 290 cadeiras do Parlamento.A apuração ainda não havia terminado em 7 distritos, entre eles Teerã, onde 30 deputados serão eleitos. Segundo dados não oficiais, todas as cadeiras da capital devem ficar com os conservadores.Em nota, a chancelaria iraniana disse que as eleições, marcadas pelo boicote reformista e pela alta abstenção, foram outra prova do processo democrático no Irã.Quatro pessoas, entre elas um policial, morreram em choques no sábado em Firouzabad, após o governo declarar um inesperado alto comparecimento nas eleições. Outras quatro pessoas morreram na Província de Khuzestan em confronto com a polícia durante protesto contra os resultados na cidade de Izeh.A União Européia avaliará amanhã suas relações com o Irã. Uma fonte diplomática disse que a UE não está satisfeita com a exclusão dos reformistas das eleições.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.