Protestos contra morte de negros atraem milhares nos EUA

Manifestação na capital americana teve a participação de parentes de Brown, Garner e Rice, todos mortos em encontros com a polícia

Cláudia Trevisan, de Washington / Correspondente , O Estado de S. Paulo

13 de dezembro de 2014 | 19h21

Dezenas de milhares de pessoas participaram ontem de marchas contra a violência policial em Washington, Nova York, Boston e Chicago aos gritos de “eu não consigo respirar”, “sem justiça, sem paz”, “mãos ao alto, não atire” e “vidas negras têm importância”. A manifestação na capital americana teve a participação de parentes de Michael Brown, Eric Garner e Tamir Rice, todos mortos em encontros com a polícia desde agosto.

A manifestação em Washington começou nas proximidades da Casa Branca e terminou com uma concentração a poucas quadras do Congresso. “Esse é um momento em que estamos vendo a história sendo feita”, disse a mãe de Eric Garner, Gwen Carr, a uma multidão de negros, brancos e asiáticos. Muitos carregavam cartazes pedindo o fim da violência e da discriminação contra negros.


“Estou aqui porque quero fazer a minha pequena parte. Quero mudança para que quando eu tenha filhos eles possam andar pelas ruas em segurança”, disse Jason Ala, que é negro.

Branco, Alan Moore carregava um estandarte com uma sucessão de cartazes críticos da situação política e social dos EUA. “Direitos civis para os 99%”, dizia um deles. “Eu estou aqui para lutar contra a desigualdade”, afirmou.

Crystal White foi à marcha com um grupo de amigos, que refletia a diversidade dos participantes: ela é negra e estava com asiáticos e brancos. “A vida dos negros é diminuída. Nós não nos sentimos seguros”, disse White.

Os policiais envolvidos nas mortes de Brown e Garner se livraram de ser processados criminalmente pelas mortes por decisões de grandes júris que analisaram os casos. Rice tinha 12 anos e foi morto a tiros quando carregava uma arma de brinquedo em um parque de Cleveland. Ainda não houve decisão sobre o início de ação criminal contra o policial que disparou os tiros.

 

Mais conteúdo sobre:
EUAprotestosviolência policial

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.