AFP e REUTERS, O Estado de S.Paulo

11 de setembro de 2010 | 00h00

Uma pessoa morreu e dezenas ficaram feridas durante uma manifestação que reuniu milhares de muçulmanos ontem nas ruas de Fayzabad, capital da Província de Badajshan, no Afeganistão. Militares da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) que atuam no país foram acusados de abrir fogo contra os manifestantes, mas negaram a informação. Os manifestantes protestavam contra a ameaça do pastor americano Terry Jones de queimar exemplares do Alcorão, nos EUA.

Em Multan, no centro do Paquistão, 600 pessoas queimaram bandeiras americanas em protesto contra a campanha de Jones. Na Somália, centenas de manifestantes muçulmanos marcharam pelas ruas da capital Mogadíscio gritando frases contra os EUA.

O imã de Meca, Saleh bin Humaid, classificou a campanha do religioso americano como "incitação ao terrorismo". No Iraque, a maior autoridade xiita, o aiatolá Ali Sistani, advertiu para as "consequências terríveis" da queima do Alcorão e pediu que "os EUA impeçam esse ato terrível".

O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, disse que a campanha lançada por Jones "acelera a queda e a aniquilação dos sionistas e de seus protetores, que vão decaindo até seu desaparecimento".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.