Protestos deixam 2 mortos na Tailândia

Exército ocupa capital e fere 113; premiê rejeita diálogo com oposição

Reuters, O Estadao de S.Paulo

14 de abril de 2009 | 00h00

A Tailândia teve ontem o dia mais violento de protesto desde que opositores tomaram as ruas de Bangcoc, no sábado, exigindo a deposição do primeiro-ministro Abhisit Vejjajiva. Uma multidão voltou a desafiar o estado de emergência, decretado na véspera, atacando soldados do Exército com pedras e coquetéis Molotov. Ao contrário de domingo, quando os militares assistiram de longe os protestos, os soldados enfrentaram e reprimiram os manifestantes. Pelo menos 2 pessoas morreram e 113 ficaram feridas - entre elas 23 militares. Veja mais fotos do confronto entre manifestantes e a polícia em BancocVejjajiva garantiu que não dissolverá o Parlamento e disse que o estado de direito na Tailândia "passa por um momento decisivo". O premiê também descartou a possibilidade de negociar com Thaksin Shinawatra, ex-primeiro-ministro exilado e líder dos "camisas vermelhas", como são conhecidos os manifestantes de oposição.Os distúrbios se espalharam por vários cruzamentos de Bangcoc, com ônibus incendiados e árvores tombadas pelos manifestantes. Mas nem todos os protestos foram violentos. Em um bairro da capital, forças de segurança isolaram 6 mil manifestantes, entre eles mulheres, crianças e monges budistas. Cercados, alguns dos opositores colocaram flores nas armas dos militares e rezaram.A nova crise tailandesa começou no sábado, quando manifestantes pró-Shinawatra invadiram um resort no sul do país onde seria realizada a cúpula da Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean). O governo de Vejjajiva foi obrigado a cancelar o evento.GOLPESDeposto por um golpe militar em 2006, Shinawatra é o principal líder da Frente Unida pela Democracia e contra a Ditadura (UDD, na sigla em inglês), popular entre a maioria pobre e rural da Tailândia. O grupo rival à UDD, a Aliança Popular pela Democracia, formada por monarquistas, membros da classe média urbana e militares, derrubou em dezembro o premiê Somchai Wongsawat após bloquear por dois meses os dois principais aeroportos de Bangcoc.Nos últimos 15 meses a Tailândia teve 4 premiês, mas nenhum conseguiu solucionar as divisões internas. Ao todo, foram 18 golpes militares em 70 anos de monarquia constitucional. Mas, desta vez, o Exército promete não intervir.INSTABILIDADENov. 2005 - Iniciam-se manifestações contra premiê Thaksin Shinawatra, acusado de corrupçãoSet. 2006 - Militares dão golpe e depõem Shinawatra Dez. 2007 - Partido de Shinawatra vence eleições e Samak Sundaravej torna-se premiê Ago. 2008 - Manifestantes ocupam o gabinete do novo premiêSet. 2008 - Justiça afasta Sundaravej por quebra de decoro após participação em programa de TV. Somchai Wongsawat assume o poderNov. 2008 - Oposição toma aeroportos e pede a renúncia de Somchai, acusado de obedecer a Shinawatra Dez. 2008 - Justiça depõe Wongsawat e dissolve 3 partidos da coalizão governista. Oposicionista Abhisit Vejjajiva é eleito premiê

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.