'Protestos dos inimigos do Irã fracassarão', diz Ahmadinejad

Presidente iraniano afirma que opositores que foram às ruas na segunda não atingirão objetivos

estadão.com.br

15 de fevereiro de 2011 | 21h46

TEERÃ - O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, disse nesta terça-feira, 15, que os "inimigos" que organizaram os protestos contra o governo não atingirão seus objetivos. Ahmadinejad fez as declarações na televisão estatal, um dia depois de opositores irem às ruas e enfrentarem a polícia, segundo informações da agência AFP. Dois manifestantes morreram.

 

Veja também:

especial Infográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

mais imagens Galeria de fotos: veja imagens dos protestos 

 

"É evidente e claro que o povo iraniano tem inimigos, porque somos um país que quer sobressair e ir ainda mais alto, mudando as relações entre países em todo o mundo", disse Ahmadinejad. "Há muita animosidade, inclusive contra o governo. Mas os responsáveis pelos protestos não conseguirão seus objetivos", completou.

 

Os protestos da segunda-feira tinham o propósito inicial de apoiar os movimentos da Tunísia e do Egito, onde as pressões populares derrubaram os presidentes que estavam há décadas no poder. A ação policial, porém, levou a violência às ruas da capital Teerã e de outras cidades.

 

Ainda nesta terça, os parlamentares iranianos pediram a execução de Mehdi Karroubi e Mirhossein Mousavi, dois líderes da oposição. Os deputados ainda criticara Mohamed Khatami, ex-presidente reformista que apoia a oposição.

 

O presidente dos EUA, Barack Obama, disse que os líderes do Oriente Médio "estão começando a entender que o povo quer mudanças". Sobre o país persa, porém, o americano expressou críticas, condenando o governo por reprimir protestos pacíficos que ocorreram na segunda-feira.

 

Obama disse esperar que o povo iraniano "tenha coragem para mostrar suas aspirações por liberdade". "Aconteceu no Egito e deve acontecer também no Irã", disse. Na segunda, a secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, havia feito pronunciamento semelhante.

 

Leia mais:

linkParlamentares pedem pena capital a opositores

linkOriente Médio deve reconhecer mudanças, diz Obama

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.