Protestos eleitorais na Costa do Marfim matam ao menos três

Atual presidente se recusa a deixar o poder; opositores afirmam que 17 já morreram

Agência Estado

16 de dezembro de 2010 | 13h51

Protestos tomaram conta da capital marfinense.

 

ABIDJÃ - Vários manifestantes morreram e dezenas ficaram feridos depois que o Exército e a polícia dispararam nesta quinta-feira, 16, contra partidários do homem reconhecido internacionalmente como o presidente eleito da Costa do Marfim, Alassane Ouattara. Os apoiadores de Ouattara tentavam tomar o controle da televisão estatal, que continua nas mãos de Laurent Gbagbo, que há dez anos ocupa a presidência do país. Ele se recusa a deixar o poder e afirma que venceu a eleição de 28 de novembro.

 

Soldados do Exército leais a Gbagbo tentaram dispersar os opositores com gás lacrimogêneo e perseguiram partidários desarmados pelas ruas da capital. Segundo a oposição, 17 pessoas foram mortas, embora apenas três tenham sido confirmadas até agora.

 

No início do mês, a comissão eleitoral da Costa do Marfim, apoiada pela Organização as Nações Unidas (ONU), declarou Ouattara como o vencedor do segundo turno. Mas aliados de Gbagbo anularam uma quantidade de votos suficiente para que o presidente se mantivesse no cargo. Além da televisão estatal, Gbagbo continua a controlar as forças de segurança do país, embora Ouattara conte com o apoio de ex-líderes rebeldes.

 

Os confrontos de hoje se seguem a uma promessa anterior feita por Guillaume Soro, ex-líder rebelde e primeiro-ministro de Ouattara, de tomar o controle da televisão estatal ainda esta semana. Soro prometeu realizar uma reunião de gabinete na sexta.

 

A União Europeia disse que vai aplicar sanções e emitir documentos que impeçam os líderes da Costa do Marfim de viajar para o território, com o objetivo de atingir Gbagbo e seus partidários. Nesta quinta, o Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, disse que está "profundamente preocupado" com o impasse na Costa do Marfim e afirmou que os protestos e confrontos "podem ter consequências imprevisíveis, incluindo uma nova guerra civil", segundo um comunicado da organização. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.