Adi Weda/Efe
Adi Weda/Efe

Protestos em embaixadas dos EUA em países islâmicos continuam

Na Indónesia, cerca de 500 pessoas protestam contra filme considerado ofensivo ao profeta Maomé

estadão.com.br,

14 de setembro de 2012 | 07h33

Texto atualizado às 08h

YAKARTA - Os protestos em frente de embaixadas dos Estados Unidos contra um filme considerado ofensivo ao profeta Maomé continuam. Cerca de 500 islamitas radicais se manifestam na embaixada norte-americana em Yakarta, Indonésia. "Esse filme insulta nosso profeta. A condenamos. É uma declaração de guerra", afirmou o porta-voz do movimento islamita Huzbut Tahrir e organizador da manifestação.

Veja também:

link Embaixadas dos EUA em países árabes sofrem ameaças e ataques

link Identificado autor de filme sobre Maomé

Entre 300 e 400 policiais foram enviados para a embaixada, já que há o risco de os manifestantes tentarem entrar no local. O presidente da Indonésia, Susilo Bambang Yudhoyono, disse, por meio de um comunicado, que o filme é "lamentável, primeiro por ser blasfemo, e segundo pela repercussão que teve. Lamentamos profundamente as vidas humanas perdidas."

Espaço aéreo

O espaço aéreo do aeroporto de Benghazi ficou fechado durante horas por motivos de segurança, afirmou, nesta sexta-feira, 14, o gerente do aeroporto da cidade líbia. "O espaço aéreo de Benghazi foi fechado por verificações de segurança rotineiras", disse Taba Moammed.

Com Reuters e Efe

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.