Protestos levam Chávez a ser transferido

O presidente venezuelano deposto Hugo Chávez foi transferido esta madrugada das instalações militares de Forte Tiuna, em Caracas, aparentemente para outra sede militar na cidade de Maracay, próxima à capital, disseram hoje fontes confiáveis. Chávez, que é mantido prisioneiro após ter sido deposto por um grupo de civis e militares que agora integram uma junta provisória de governo, foi retirado de Caracas diante dos crescentes protestos que começaram a agitar vários pontos do país, disse uma rádio local, citando fontes fidedignas.Por outro lado, vizinhos do Forte Tiuna, sudoeste da capital venezuelana, contaram à ANSA que "Milhares de pessoas vieram aqui à noite. Era como um rio de gente descendo pelas ruas próximas ao Forte Tiuna, enquanto as patrulhas da Polícia Metropolitana dirigida pelo prefeito Alfredo Peña, adversário de Chávez, se dirigiram ao local para dispersá-los".Foram ouvidos tiroteios e panelaços na região que foi sobrevoada por helicópteros. Também foram registrados protestos, saques, panelaços nas cidades dormitório de Guarenas e Guatire, na periferia de Caracas e em Los Teques e Petare, extremo leste da capital.As manifestações favoráveis a Chávez ocorrem sob estrito silêncio dos meios de comunicação social deste país, exceto por algumas emissoras de rádio.Uma delas informou neste sábado a transferência de Chávez em razão dos protestos da madrugada e enfatizou que "a situação pessoal do presidente deposto é desconhecida", mantido sob um forte isolamento que impede qualquer contato dele com familiares, advogados, fiscais do ministério público, desde sua prisão ontem de madrugada. Um de seus ex-ministros, Aristóbulo Istùriz, disse à ANSA que teme por sua vida "Chávez preso é um perigo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.