Protestos levam Itália a adiar construção de novo aterro

Protestos forçaram o governo italiano a adiar a construção de um novo aterro sanitário em Nápoles. Em um choque com forças de segurança ocorrido na noite de sábado, manifestantes feriram seis policiais na cidade de Terzigno, próxima ao local proposto para o aterro, ao pé do vulcão Vesúvio.

Agência Estado

24 de outubro de 2010 | 19h02

O adiamento foi anunciado pelo chefe da defesa civil, Guido Bertolaso. Ele afirmou que a prioridade é garantir a segurança dos aterros atuais, e que o futuro só pode ser discutido após a normalização da situação.

O primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, prometeu na sexta-feira 14 milhões de euros para aprimorar o atual aterro em Terzigno.

Mais de 2.400 toneladas de lixo permanecem espalhadas pelas ruas de Nápoles. A cidade sofre há anos com má administração da coleta de lixo, causada pela corrupção e pela influência de máfias. A Comissão Europeia informou que a Itália pode sofrer processos e multas se não resolver a crise. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Itálialixo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.