Protestos marcam início da visita de Bush à Indonésia

Milhares de pessoas saíram às ruas das principais cidades da Indonésia nesta segunda-feira para protestar contra a visita oficial do presidente americano, George W. Bush. O Governo reforçou a segurança da embaixada americana em Jacarta e postou 27 mil agentes de segurança na cidade e em Bogor, 55 quilômetros ao sul da capital, onde Bush se reunirá nesta tarde com seu homólogo indonésio, Susilo Bambang Yudhoyono. A visita de Bush provocou forte oposição entre os grupos muçulmanos indonésios, contrários à política internacional dos EUA, que qualificam de "anti-islâmica". Habib Assegaf, presidente da Aliança de Organizações Muçulmanas Unidas, assegurou à agência estatal de notícias "Antara" que espera que pelo menos 30 mil pessoas participem dos protestos convocadas em Bogor. As ruas centrais de Bogor foram fechadas para o tráfego e alambrados foram instalados ao longo das estradas que cercam o Jardim Botânico, onde o presidente americano aterrissará. A segurança também foi reforçada na base aérea de Halim Perdanakusuma, no leste de Jacarta, onde aterrissará o avião presidencial sob a estrita vigilância de dois helicópteros "Black Hawk Sikorsky" da Força Aérea americana. Yudhoyono solicitou à população que não proteste "de forma excessiva" e advertiu que qualquer incidente durante a curta visita terá graves repercussões. Os protestos, que começaram no começo deste mês, ganharam intensidade segundo se aproximava a data da visita, e no domingo centenas de manifestantes em Jacarta qualificaram Bush de "assassino" e "criminoso de guerra".

Agencia Estado,

20 Novembro 2006 | 07h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.