Rogan Ward/REUTERS
Rogan Ward/REUTERS

Protestos na África do Sul provocam temor em partido de Mandela

Cyril Ramaphosa atribui saques e tumultos à facção rival do Congresso Nacional Africano

Por Lesley Wroughton e Max Bearak, The Washington Post, O Estado de S.Paulo

23 de julho de 2021 | 18h00

CIDADE DO CABO - Quando Cyril Ramaphosa assumiu o comando do Congresso Nacional Africano, o partido político mais famoso da África e a personificação do legado de libertação de Nelson Mandela na África do Sul, prometeu reverter o desgoverno que permitiu que profundas divisões raciais e de classe perdurassem durante mais de duas décadas sob o governo de maioria negra.

Em vez disso, essas divisões se tornaram mais arraigadas. Na semana passada, um amargo desencanto percorreu as ruas de duas províncias sul-africanas, assumindo a forma de motins, saques e incêndios generalizados que ceifaram mais de 330 vidas e danificaram ou destruíram 40 mil empresas.

Mas, embora Ramaphosa reconhecesse suas próprias falhas, ele atribuiu a culpa pela ilegalidade a uma facção rival do ANC, intimamente ligada ao ex-presidente Jacob Zuma, preso este mês após ser condenado por desacato ao tribunal. Oficiais do governo anunciaram a prisão de pelo menos seis “instigadores” dos distúrbios, mas não revelaram suas identidades, dizendo que isso “colocaria em risco as investigações”.

Os responsáveis ​​pela violência, disse Ramaphosa, pretendiam "enfraquecer gravemente - ou mesmo desalojar - o Estado democrático". Ele acrescentou: “Nós sabemos quem eles são”.

Cronistas do ANC dizem que a violência, apoiada ou não pela facção de Zuma, dá a Ramaphosa o caminho mais claro que qualquer líder sul-africano já teve para dividir o famoso partido político em dois, o que pode ser a única maneira de reverter seu declínio. O partido pode estar em seu ponto mais fraco, mas a violência apenas encorajará Ramaphosa, disseram.

“Esta não é uma crise que vai ser desperdiçada. Ele está pilotando a situação", disse Ralph Mathekga, analista político e autor do livro Ramaphosa’s Turn. “Era necessário chegar a um ponto de clímax entre as facções, sem ponto de retorno. Este é um grande tremor dentro do ANC. ”

A crescente ignomínia de Zuma aumentou a influência de Ramaphosa dentro do partido, ainda que Zuma mantivesse o apoio fervoroso de alguns sul-africanos, particularmente da etnia Zulus em Joannesburgo e na província de KwaZulu-Natal, onde a violência da semana passada foi pior. Os distúrbios diminuem ainda mais a posição da facção Zuma, disse Mathekga.“Essas pessoas foram tão moralmente destruídas”, disse ele. “Eles incendiaram o país.”

Ramaphosa consegue extrair um profundo ressentimento contra Zuma, especialmente na base de apoio que ele já tem com os sul-africanos negros de classe média. Ao longo de quase uma década no poder - mais de um terço do período pós-apartheid - Zuma foi acusado de trair o Estado por meio de práticas corruptas, de forma que a política ficou vinculada aos desejos dos maiores licitantes. Ramaphosa disse que as perdas com a “captura do Estado” chegam a mais de US $ 34 bilhões.

Porta-vozes do ANC e do gabinete do presidente não responderam a perguntas sobre a cisão no partido.

Desemprego extremamente alto, dívida nacional e recessões múltiplas estagnaram a economia e, menos de um ano depois que os sul-africanos elegeram Ramaphosa em meados de 2019, a pandemia de coronavírus atingiu fortemente a África do Sul. Batalhas dentro do partido frustraram os esforços de reforma econômica envolvendo indústrias estatais e redistribuição de terras.

"Ramaphosa chegou à presidência pensando que poderia recriar aquele 'momento Mandela' em que a nação se reuniu e o viu como o líder para tirá-los de um momento difícil, que era a era Zuma de captura e corrupção do Estado", disse Ray Hartley, autor de Ramaphosa: The Man Who Would Be King

Em vez disso, disse Hartley, Ramaphosa percebeu que um “expurgo” é necessário, e a violência recente pode fornecer o pretexto.“Ramaphosa está promovendo toda a teoria da conspiração porque ela criminaliza seus oponentes no ANC”, disse ele.

Mesmo os membros do ANC reconhecem que, sem reformas, o partido continuará a perder o controle sobre o poder e os males do país se espalharão pelas ruas com maior frequência.

Nas eleições locais de 2016, o ANC perdeu o controle sobre a maioria das maiores áreas urbanas da África do Sul. Na votação de 2019 que elegeu Ramaphosa, o ANC conquistou menos de 60% dos assentos parlamentares, seu pior desempenho de todos os tempos. A participação eleitoral também foi a mais baixa de todos os tempos.

A maior base de apoio do partido está nas comunidades rurais onde as redes de clientelismo amarraram as perspectivas econômicas das pessoas à sua proximidade com os quadros do partido que controlam o acesso aos empregos.

Os pobres urbanos que participaram do saque da semana passada provavelmente não serão partidários de Ramaphosa, disse Moeletsi Mbeki, vice-presidente do Instituto Sul-Africano de Assuntos Internacionais e irmão mais novo do ex-presidente Thabo Mbeki, que foi afastado da liderança do partido por Zuma em 2007. Agir fortemente contra eles e supostos líderes permite a Ramaphosa fortalecer sua mão dentro do partido e jogar em sua própria base, argumentou Mbeki.

“Ramaphosa está insistindo que isso é uma insurreição porque ele quer ter carta branca para suprimir os pobres urbanos e usar mais força contra ele", disse ele. “Ele quer legitimar o uso da força contra a população negra urbana. O ANC não precisa de seu voto, ele vai ganhar com base no voto rural. ”

Se Ramaphosa conseguir deslegitimar a facção rival - ou se os tribunais provarem que as alegações de seu governo estão corretas - ele provavelmente garantirá um mandato adicional para si mesmo em que reformas, especialmente pós-pandemia, possam ser mais viáveis. E, em última análise, dado o firme controle do ANC no poder em nível nacional, os aliados de Zuma terão que mudar. “Os membros do ANC se odeiam”, disse Mathekga, “mas odeiam mais ficar sem poder”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.