Protestos na Bolívia isolam a capital La Paz

A capital boliviana La Paz e Cochabamba, a terceira cidade do país, ficaram nesta quinta-feira isoladas e desabastecidas de produtos agrícolas e gás por bloqueios de estradas promovidos por camponeses e produtores de coca em apoio ao líder "cocalero" Evo Morales.Em La Paz, a sede do governo, centenas de donas de casa bloquearam com garrafas vazias de gás liquefeito ruas e avenidas para exigir o combustível utilizado principalmente para cozinhar.A escassez de gás líquido se deve ao bloqueio promovido pelos chamados cocaleros (plantadores de coca) na estrada entre Cochabamba e Santa Cruz, que une o leste ao oeste boliviano, impedindo o transporte do gás de cozinha em caminhões até os gasodutos que conduzem o combustível para La Paz - o que elevou em 150% o preço local do produto.Os bloqueios dos cocaleros afetam não apenas a capital, como também as cidades de Cochabamba, Oruro, Potosí e Santa Cruz atingindo seis dos nove estados da Bolívia, onde os preços dos produtos agrícolas tiveram um aumento entre 20% e 30%.Os protestos dos campaoneses se somaram aos dos cerca de 8.000 motoristas de transporte urbano público e pesado e a uma greve de 24 horas contra a violência promovida por organizações populares de Cochabamba.Os dois setores do transporte bloquearam as principais ruas e avenidas de Cochabamba, cansados de verem seus veículos constantemente destruídos por manifestantes que marcham em apoio a Morales, expulso do Parlamento.Os protestos nesta cidade, promovidos pela organização popular Coordenadora da Água - que congrega camponeses, cocaleros, professores, operários e universitários - vêm ocorrendo a cada dia nos últimos 15 dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.