Juan Barreto/ AFP
Juan Barreto/ AFP

Protestos na Colômbia podem criar uma abertura para o centro

Enquanto políticos de esquerda e direita alimentam a polarização, começam a aparecer sinais de apetite por políticas centristas

Leonie Rauls/ Americas Quarterly, O Estado de S.Paulo

27 de julho de 2021 | 10h00

Depois de mais de dois meses de inquietação social, muitos colombianos continuam desapontados. Milhares participaram de uma greve nacional em 20 de julho, Dia da Independência, poucas semanas depois que uma pesquisa descobriu que 84% dos colombianos achavam que seu país estava indo na direção errada.

Enquanto isso, há uma sensação de que os políticos da direita e da esquerda, de olho nas eleições gerais de 2022, estão explorando a agitação e aprofundando a polarização. Mas uma grande parte do eleitorado parece insatisfeita com qualquer um dos extremos políticos e, se a eleição fosse hoje, metade dos eleitores não votaria ou faria voto em branco, de acordo com uma pesquisa de 22 de junho do Centro Nacional de Consultoria (CNC). Alguns especialistas veem aí uma abertura para alternativas centristas.

“É muito cedo para fazer previsões eleitorais, mas as pessoas estão em busca de um terreno comum”, disse Maria Victoría Llorente, diretora executiva da Ideas for Peace Foundation.

Entre os que procuram consenso talvez se encontre a juventude colombiana. Uma pesquisa nacional com jovens nas primeiras semanas dos protestos revelou uma preferência eleitoral pelo centro: 41% votariam em um candidato do centro, 25% na esquerda e 5% na direita.

“Interpreto este resultado como uma rejeição vigorosa à polarização de nosso país”, disse Alejandro Cheyne, reitor da Universidade de Rosário e diretor da pesquisa, em entrevista ao La Silla Vacía.

Ninguém esperava uma abertura para os centristas. Quando os protestos eclodiram no final de abril, o líder da oposição esquerdista, Gustavo Petro, vice-campeão nas eleições presidenciais de 2018 e provável candidato na disputa do próximo ano, parecia estar se beneficiando com a agitação. Uma pesquisa CNC de 15 de maio revelou que, se a eleição fosse realizada naquele dia, Petro teria 25% dos votos, 19 pontos percentuais à frente de qualquer outro candidato. Em meio à difícil situação econômica, diz a consultora Laura Gil, alguns colombianos “pararam de ter medo de Petro”, um polêmico ex-guerrilheiro.

No entanto, como a agitação social continuou e ocorreram mais episódios de violência, a opinião pública se voltou ligeiramente contra Petro, que as pesquisas mostram que está associado aos protestos. Embora ele continue sendo o favorito para 2022, a popularidade de Petro caiu quatro pontos desde maio. Quando um senador de seu partido perdeu inesperadamente uma votação para um papel de liderança importante no Senado da Colômbia, em 20 de julho, alguns viram isso como um sinal de fraqueza para Petro e seus aliados.

O presidente Iván Duque, do partido de direita Centro Democrático, também viu sua popularidade diminuir à medida que se aproxima do último ano de mandato (devido ao limite de mandatos consecutivos). Seu índice de aprovação caiu para menos de 20% em maio. Enquanto isso, ele não tem apoio no Congresso para aprovar reformas significativas e está fraco dentro de seu próprio partido, onde alguns o acusam de não responder aos protestos com mão firme. Ele pretende apresentar um projeto de lei antivandalismo ao Congresso, em um aparente esforço para agradar sua base, embora os críticos temam que isso acabe criminalizando os protestos.

De acordo com pesquisas recentes, a popularidade de Duque subiu ligeiramente de 18% em maio para 23% em junho - um sinal de que ele pode ter batido no fundo do poço.

Ainda assim, não está claro se líderes como Duque e Petro estão ouvindo apelos por unidade e compromisso.

“O que deixa o diálogo tão difícil agora é que o país está entrando em ano eleitoral”, disse Gwen Burnyeat, antropóloga política da Universidade de Oxford.

O resultado é pouco progresso nas questões políticas e econômicas que estão gerando grande parte dos distúrbios. O custo econômico da pandemia foi imenso, com 40% dos colombianos vivendo na pobreza. O Congresso se reuniu mais uma vez em 20 de julho para tentar aprovar uma reforma tributária que cobriria o rombo fiscal e financiaria programas de recuperação econômica. Mas, para a oposição, fazer concessões a um governo fraco com uma eleição à vista seria uma espécie de “morte eleitoral”, disse Elizabeth Dickinson, analista sênior do Crisis Group em Bogotá. Em vez disso, a esquerda é incentivada a manter os colombianos insatisfeitos com o governo atual.

“Ninguém quer dar o primeiro passo porque não sabe como a opinião pública vai se comportar”, disse Dickinson.

No entanto, embora possa haver uma abertura até 2022, o centro parece dividido - pelo menos por enquanto. Uma “Coalizão da Esperança” composta por figuras de centro-esquerda planeja ter uma primária para escolher um candidato no ano que vem. Entre os nomes, estão Sergio Fajardo, um ex-governador que ficou atrás de Petro por menos de 1,4% nas eleições de 2018, e o senador Juan Manuel Galán. Fajardo e Galán ficaram em segundo e terceiro lugar na pesquisa Semana-CNC de junho, com 6% e 5%, respectivamente. Alejandro Gaviria, reitor da Universidade Los Andes, está sendo recrutado por membros da Coalizão da Esperança. Na centro-direita, alguns nomes estão na mistura, como o ex-prefeito de Bogotá Enrique Peñalosa e dois ex-ministros da Fazenda, Juan Carlos Echeverry e Mauricio Cárdenas.

Talvez seja muito cedo para avaliar que tipo de candidato possa unir o centro. Mas, em última análise, muitos eleitores não estão necessariamente procurando algo radical, disse Mariana Ardila, advogada da Women’s Link Worldwide em Bogotá.

“Os colombianos só querem alguém que entenda o problema da desigualdade profunda”./ Tradução de Renato Prelorentzou

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.