Protestos na Jordânia pressionam primeiro-ministro

A oposição jordaniana prometeu manter os protestos contra a alta dos preços e a inflação até a renúncia do primeiro-ministro e seu governo. Mais de cinco mil pessoas de vários grupos políticos - incluindo a poderosa Irmandade Muçulmana, grupos de esquerda e sindicatos - realizaram hoje o que chamaram de "Dia da Ira" na capital jordaniana, Amã, e na cidade de Irbid, norte do país.

AE, Agência Estado

21 de janeiro de 2011 | 12h31

Eles exigem que o primeiro-ministro Samir Rifai deixe o governo para que os jordanianos possam eleger seu premiê e outros ministros em vez de serem nomeados pelo rei Abdullah II. Os protestos de rua aumentaram na última semana, estimulados pelo exemplo da Tunísia e apesar das medidas do governo para baixar o preços de produtos básicos e combustíveis. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.