Protestos no Iêmen terminam com duas mortes, dizem testemunhas

Dois manifestantes foram mortos e mais de dez ficaram feridos na terça-feira no Iêmen durante confrontos armados com seguidores do presidente Ali Abdullah Saleh, segundo testemunhas.

REUTERS

22 de fevereiro de 2011 | 20h17

Uma fonte oficial disse à Reuters que pelo menos um manifestante foi baleado e morto, e que vários ficaram feridos durante protestos perto da Universidade de Sanaa.

Testemunhas disseram que partidários de Saleh abriram fogo contra os manifestantes, antes que a polícia interviesse dando tiros para o alto a fim de separar os dois lados.

Na segunda-feira, um adolescente foi morto num confronto com soldados na cidade portuária de Áden (sul), elevando a 12 o total de vítimas fatais nos distúrbios desde quinta-feira.

Inspirados nas recentes revoluções da Tunísia e do Egito, os manifestantes exigem a renúncia de Saleh, um aliado dos EUA há 32 anos no cargo.

O Iêmen, um dos países mais pobres do mundo árabe, também enfrenta atividade de militantes da Al Qaeda, uma revolta separatista no sul, e uma rebelião xiita no norte.

(Reportagem de Mohamed Sudam)

Tudo o que sabemos sobre:
IEMENPROTESTOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.