Zacarías García/Efe
Zacarías García/Efe

Protestos no Marrocos deixam 5 mortos

Corpos das vítimas foram encontrados ontem em um banco que foi incendiado na cidade de Al-Hoceima durante manifestações de domingo

Guilherme Russo, O Estado de S.Paulo

22 de fevereiro de 2011 | 00h00

Os protestos que juntaram milhares em diversos pontos do Marrocos deixaram cinco mortos na cidade de Al-Hoceima, anunciaram ontem as autoridades do país. Os corpos de cinco manifestantes foram encontrados carbonizados dentro de um banco incendiado durante as manifestações do domingo. A principal reivindicação dos marroquinos é a redução dos poderes do rei Mohamed VI, que governa o país desde julho de 1999.

O editor da revista independente Alucema Press, Yassin Errahmouni, contou ao Estado que, além da agência bancária onde foram encontrados os mortos, também foram incendiados pelo menos outros dois prédios públicos - entre eles uma delegacia -, outros bancos, um carro de polícia e um hotel, que teve seu estoque de bebidas saqueado.

Segundo Errahmouni, pela manhã, muitos habitantes de outras cidades da região do Rif juntaram-se a centenas de manifestantes que haviam tomado a praça central de Al-Hoceima.

"Esperávamos um protesto pacífico. Mas a fúria se estendeu", disse, explicando que a situação ficou fora de controle depois que um grupo irritado com a posição da polícia local começou a apedrejar uma delegacia. Os agentes responderam com golpes de cassetete. Mas, segundo Errahmouni, só se preocuparam em deixar o local. "As forças de segurança desapareceram. Nem os bombeiros eram vistos."

Rabat anunciou que mais de 37 mil participaram dos protestos e 120 foram presos em todo o país. Segundo o governo, 33 prédios públicos, 24 bancos, 50 comércios e 66 veículos foram atacados ou incendiados - e 128 pessoas ficaram feridas.

FICHA TÉCNICA

O MARROCOS

Protestos no país exigem menos poderes ao rei

Rei

Mohamed VI

No poder desde

1999

Regime monarquia

islâmica

População

mais de 34 milhões

Área

458.730 km²

Língua oficial

Árabe

Capital

Rabat

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.