Protestos raciais de Louisville se espalham pelos EUA

Manifestantes protestam contra a absolvição de dois policiais envolvidos em morte de enfermeira negra, em março

Redação - O Estado de S.Paulo

Você pode ler 5 matérias grátis no mês

ou Assinar por R$ 0,99

Você pode ler 5 matérias grátis no mês

ou Assinar por R$ 0,99

Você leu 4 de 5 matérias gratuitas do mês

ou Assinar por R$ 0,99

Essa é sua última matéria grátis do mês

ou Assinar por R$ 0,99

LOUISVILLE, EUA - Os protestos raciais de Louisville, no Kentucky, se espalharam nesta quinta-feira, 24, para outras cidades dos EUA. Mobilizações foram registradas em Nova York, Portland, St. Paul, Chicago, Seattle, Atlanta, Denver e Milwaukee. A revolta começou na quarta-feira, quando a Justiça decidiu acusar apenas um dos policiais envolvidos no assassinato de Breonna Taylor, enfermeira negra que morreu em março.

Na primeira noite de protestos, dois policiais foram feridos a bala e um suspeito foi detido em Louisville. Hoje, a polícia identificou o atirador como sendo Larynzo Johnson, de 26 anos, que foi indiciado por tentativa de homicídio – os dois policiais feridos não correm risco de morrer. 

Autoridades municipais pediram calma à população, declarou estado de emergência e acionou o toque de recolher a partir das 21 horas, no horário local. Além de Johnson, outras 46 pessoas foram presas nos protestos.

Manifestantes e policiais entram em choque em protesto antirracista em Portland  Foto: Nathan Howard/Getty Images/AFP

Breonna foi baleada seis vezes durante uma operação antidrogas no dia 13 de março, quando estava dentro de seu próprio apartamento com o namorado. Nenhuma droga foi encontrada na casa e a enfermeira não tinha antecedentes criminais. Na semana passada, a cidade concordou em pagar US$ 12 milhões de indenização à família dela. 

Na quarta-feira, um júri do Kentucky indiciou o ex-detetive Brett Hankison, que foi demitido em junho, por três acusações criminais, nenhuma por assassinato. No entanto, os outros dois policiais, Jonathan Mattingly e Myles Cosgrove, escaparam de um julgamento. 

O presidente dos EUA, Donald Trump, ofereceu ajuda para conter os protestos, mas o governador do Kentucky, Andy Beshear, e o prefeito de Louisville, Greg Fischer, rejeitaram a oferta. 

Seu browser não suporta vídeos em HTML5

24/09/2020

A decisão de inocentar os outros dois policiais envolvidos no caso causou uma reação de repúdio em várias partes dos EUA. “A morte de Breonna foi um assassinato”, disse o governador de Nova York, Andrew Cuomo. LeBron James, astro do basquete americano, disse que estava “revoltado”. “Estou sem palavras. Estou arrasado, magoado, triste, louco”, escreveu LeBron no Twitter. 

Justin Jackson, jogador de futebol americano, também protestou. “Os assassinos de Breonna Taylor escapando impunes sem nem mesmo um julgamento é exatamente a podridão sistêmica pela qual as pessoas estão protestando”, disse. / AP e AFP

Tudo o que sabemos sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato