Reuters
Reuters

Protestos se agravam e premiê decreta emergência na Tailândia

Tiros foram disparados contra o carro primeiro-ministro e dois tanques foram tomados pelos manifestantes

Agências internacionais,

12 de abril de 2009 | 07h41

O governo tailandês decretou neste domingo, 12, estado de emergência em Bangcoc e nos arredores depois das manifestações que no sábado provocaram a suspensão de um encontro de cúpula asiático. A tensão continua nas ruas da capital tailandesa. Tiros foram disparados contra o carro do premiê Abhisit Vejjajiva e dois tanques foram tomados pelos manifestantes.

Segundo o primeiro-ministro, que sofre pressão para renunciar,  a polícia e o exército se encarregarão de aplicar as normas do estado de exceção. Em um pronunciamento na televisão, o primeiro-ministro justificou que a medida era necessária para atacar os problemas de segurança antes que se tornem incontroláveis.

O decreto proíbe as reuniões de mais de cinco pessoas e as concentrações públicas que as autoridades considerem que podem representar uma ameaça para a ordem pública.

A declaração de estado de exceção em Bangcoc e nas províncias vizinhas de Nonthaburi,Samut Prakan, Pathum Thani, Nakhon Pathon, e Ayutthaya, chega um dia depois que vários centenas de opositores do governo atacaram a sede da cúpula dos Países do Sudeste Asiático (Asean), e forçaram seu cancelamento.

Ontem, o primeiro-ministro decretou o estado de exceção na cidade de Pattaya, ao leste da capital e onde devia celebrar-se a conferência.

Protestos

Vários policiais e manifestantes ficaram feridos durante o tiroteio que aconteceu quando o carro oficial do primeiro-ministro deixava o Ministério do Interior.De acordo com o canal de televisão "PBS", durante o tiroteio Vejjajiva estava com o vice-primeiro-ministro Suthep Thaugsuban dentro do Ministério, onde no começo da manhã se concentraram várias dezenas de manifestantes antigovernamentais para protestar contra a detenção de um de seus líderes. Ainda se desconhece o número de pessoas feridas.

Segundo testemunhas, soldados das forças de segurança realizaram depois disparos para o ar para tentar dissolver um grupo demanifestantes que avançou sobre o veículo do primeiro-ministro. Por outro lado, cerca de meio centena de opositores do governo entraram nas dependências do Ministério do Interior sem quase encontrar resistência por parte dos soldados que estão desdobrados perante as portas do prédio.

Em outra parte da cidade, um grupo de manifestantes tomou o controle dos dois blindados depois que os soldados que estavam a seu cargo não ofereceram resistência.

O Exército tailandês montou controles de segurança em diversos pontos da cidade, a maioria no centro velho no qual estão localizados os ministérios e outros prédios oficiais.  Um dos mais destacados líderes dos manifestantes antigovernamentais pediu que opositores que se dirijam a Bangcoc para forçar a queda do governo. Jatuporn Promphan disse mediante uma mensagem emitida por uma das cadeias de rádio afins ao ex-líder Thaksin Shinawatra que o estado de direito já não está em vigor na Tailândia.

Tudo o que sabemos sobre:
Tailândiaprotestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.