Protestos violentos na Grécia acabam com 200 presos

Jovens com os rostos cobertos lançaram bombas e pedras na polícia durante uma marcha em Atenas, neste domingo, para marcar o primeiro aniversário da morte do jovem Alexandros Grigoropoulos por um policial. O crime, que aconteceu em dezembro passado, gerou uma série de distúrbios pela Grécia. Hoje a polícia já realizou 134 prisões na capital e outras 80 em Tessalonica, no norte do país. A polícia usou gás lacrimogêneo para dispersar os milhares de manifestantes.

AE-AP, Agencia Estado

06 de dezembro de 2009 | 17h21

Janelas foram quebradas, latas de lixo reviradas e queimadas e pedras e bombas caseiras foram lançadas contra os policiais. Também houve violência em Tessalonica, segunda maior cidade do país. Pelo menos cinco manifestantes se feriram, incluindo uma mulher atingida por uma motocicleta da polícia. Segundo as autoridades, 16 policiais ficaram feridos. Houve também protestos na Universidade de Atenas. Um jogo de futebol no Estádio Olímpico, da capital, foi suspenso por meia hora.

O novo governo socialista assumiu em outubro o poder na Grécia e sofre com um aumento nos ataques armados de grupos de extrema esquerda e anarquistas desde a morte do jovem, no fim do ano passado. A nova administração prometeu uma polícia de tolerância zero contra esse tipo de violência.

Tudo o que sabemos sobre:
Gréciaprotestopresos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.