Protocolo de Kyoto é aprovado no Marrocos

A sétima reunião da ONU sobre a convenção das mudanças climáticas, que reuniu ministros e representantes de 167 países, chegou neste sábado, em Marrakesh, no Marrocos, a um acordo sobre o Protocolo de Kyoto, que é um compromisso dos países mais ricos, exceto os Estados Unidos, de reduzirem suas emissões de gases poluentes que provocam o aquecimento do planeta. Essa redução seria no corte no consumo de combustíveis fósseis, isto é, derivados de petróleo, gás natural e carvão mineral. Para entrar em vigor, 55 países, responsáveis por 55% dos gases causadores do efeito estufa, precisam ratificar o documento. O acordo foi firmado depois que a Rússia conseguiu a cota de emissão de 33 milhões de toneladas de gás carbônico que desejava. Segundo o chefe da delegação russa, Alexandre Bedritsky, o país, agora, está disposto a ratificar o protocolo. Já a ministra do meio ambiente do Japão, Yoriko Kawaguchi, não quis confirmar na convenção a inclusão dos japoneses no acordo. O primeiro ministro japonês, Junichiro Koizumi, disse que fará todos os esforços para aprovar o texto e incluir seu país sob o protocolo. O Protocolo de Kyoto, que deve vigorar a partir do ano 2002, obriga 39 países industrializados a reduzir em 5,2% as emissões de gases entre 2008 e 2012. Os americanos são os que mais produzem esse gases poluentes. A próxima reunião acontecerá em Johannesburgo, na África do Sul.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.