Próxima etapa da ação será por terra

Especialistas militares norte-americanos admitiram que a próxima fase do ataque contra o Afeganistão consistirá no deslocamento de tropas terrestres e, descartada uma invasão em massa, as portas ficam abertas para a ação seletiva dos comandos das "forças especiais". Segundo revelou nesta terça-feira o jornal The Washington Post, "o Pentágono planeja iniciar a próxima fase da guerra enviando um significativo número de tropas terrestres adicionais ao Oriente Médio e à Ásia Central". No entanto, publicou o diário, "ainda não ficou claramente definido o papel que essas tropas desempenharão". Tanto o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, quanto seu ministro de Defesa, Donald H. Rumsfeld, confirmaram em seus discursos de domingo, após o início dos bombardeios, que estas incursões são apenas o início da guerra contra o terrorismo. Após a "preparação do terreno" com os bombardeios em massa, a presença dos soldados "nos posicionará de uma maneira na qual poderemos contar com uma ampla gama de possibilidades", disse uma fonte do Pentágono sob a costumeira condição de anonimato. "Os Estados Unidos não podem ganhar apenas com os bombardeios", disse um dos chefes militares da oposição anti-Taleban, estabelecida no norte do Afeganistão, Haji Almaz. E o Pentágono parece concordar. Devido às dificuldades para o envio de grandes grupos de soldados devido à recusa do Uzbequistão e do Tadjiquistão em permitir este tipo de ofensiva a partir de seus territórios, a ação no Afeganistão parece estar reservada aos comandos de elite das forças armadas - os boinas verdes e os rangers, do Exército, e os Seals, da Marinha. Os encarregados de capturar o milionário saudita Osama bin Laden "vivo ou morto", como pediu o presidente Bush, deverão ser apenas alguns dos 29.000 soldados entre 1,4 milhão de efetivos regulares com os quais contam as Forças Armadas norte-americanas. Entrevistado pela CNN, o senador John McCain, um veterano da Guerra do Vietnã e membro da Comissão de Forças Armadas do Senado dos EUA, disse que a próxima fase será protagonizada por tropas terrestres. "A próxima etapa provavelmente será de ´inserção e extração´ de tropas terrestres", mas não será uma operação para ocupar o território afegão, explicou. Anualmente, os Estados Unidos investem cerca de US$ 4 bilhões para treinar suas forças especiais e equipá-las com as armas mais sofisticadas. Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.