REUTERS/Carlos Garcia Rawlins
REUTERS/Carlos Garcia Rawlins

Próxima fase do referendo contra Maduro deve começar no dia 3 de junho

Coalizão opositora Mesa da Unidade Democrática exige que a validação das assinaturas coletadas comece imediatamente

O Estado de S. Paulo

13 Maio 2016 | 10h44

CARACAS - A próxima fase para a ativação de um referendo revogatório contra o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, deve se iniciar no dia 3 de junho, anunciaram as autoridades eleitorais na quinta-feira, desconsiderando as exigências da oposição de que as assinaturas dos solicitantes sejam validadas imediatamente.

A reitora do Conselho Nacional Eleitoral (CNE), Socorro Hernández, disse que a auditoria das planilhas, com 1,8 milhão de assinaturas entregues pela oposição para que a consulta seja ativada, deve ser concluída em 2 de junho.

"A auditoria das planilhas será realizada do dia 18 de maio até 2 de junho", afirmou Hernández, em entrevista ao canal estatal VTV.

Após finalizar a contagem das assinaturas, na segunda-feira, o CNE vai digitalizar esse material entre 16 e 20 de maio e depois iniciará a auditoria, acrescentou a reitora.

Embora precisasse apenas de cerca de 200 mil firmas para pedir a ativação do referendo revogatório, a oposição entregou 1,8 milhão em 2 de maio, seis dias após o início do prazo de coleta, de 30 dias. O período será usado pelo CNE para revisar as planilhas.

A coalizão opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD) exige, porém, que o CNE dê o próximo passo após a contagem, ou seja, imediatamente, e convoque os cidadãos para que validem suas assinaturas com a impressão digital.

Hernández afirmou que sua obrigação é revisar todas as que foram entregues. "Se nos entregam dois milhões de assinaturas, temos de fazer o trabalho de dois milhões", justificou a reitora.

Caso as assinaturas sejam validadas, a MUD deverá coletar mais quatro milhões em três dias para que o referendo seja convocado.

A oposição espera realizar a consulta até o final do ano, mas o governo afirma que isso não será possível em razão dos prazos legais.

Hernández indicou que a MUD poderia ter solicitado o referendo em 11 de janeiro, um dia depois de Maduro ter completado metade de seus seis anos de mandato, e não em 26 de abril, como foi feito. Anteriormente, a coalizão, que controla o Parlamento, impulsou uma emenda para reduzir o mandato do presidente socialista.

Considera-se que o atual período presidencial começou em 10 de janeiro de 2013, data em que Hugo Chávez deveria assumir um novo mandato após sua reeleição no ano anterior. Naquele momento, o presidente lutava contra um câncer e delegou o governo a Maduro, então vice-presidente.

Após a morte de Chávez, em 5 de março de 2013, foram realizadas novas eleições, com a vitória de Maduro. O atual presidente tomou posse em 19 de abril daquele ano.

A oposição quer realizar o referendo antes que Maduro complete quatro anos de governo. Se a consulta for feita após esse período e Maduro perder, seu vice-presidente assume e termina seu mandato. /AFP

Mais conteúdo sobre:
Venezuela Nicolás Maduro revogação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.