Próximo presidente do BC de Israel não foi definido

Após Leo Leiderman, acadêmico e diretor do maior banco de Israel, o Hapoalim, declinar da possibilidade de ocupar a presidência do Banco de Israel, várias especulações surgiram sobre os motivos que o levaram à decisão, desde a astrologia até rumores de assédio sexual. Escolhido pelo primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, e pelo ministro da Fazenda, Yair Lapid, Leiderman teria sua nomeação confirmada neste domingo, mas anunciou que não assumiria a função caso sua indicação fosse aprovada.

AE, Agência Estado

04 Agosto 2013 | 21h09

A imprensa israelense afirmou que a decisão de Leiderman poderia estar ligada à sua propensão em consultar regularmente um astrólogo. Na rádio, ele afirmou que não aceitaria a função por razões familiares

O jornal Haaretz deu outra explicação à desistência. O diretor do Hapoalim retirou a sua candidatura para evitar que um escândalo sobre o seu emprego anterior viesse à tona. Acusações indicam que Leiderman estaria envolvido em um caso de assédio sexual no Deutsche Bank.

Na segunda-feira, o primeiro escolhido para o cargo, Jacob Frenkel também retirou sua candidatura, à medida que surgiram acusações de que ele teria furtado um perfume no duty-free do aeroporto de Hong Kong, em 2006.

Agora, Netanyahu e Lapid tem que encontrar um novo sucessor para Stanley Fischer, ex-economista-chefe do Bnco Mundial, que decidiu se aposentar em julho, após oito anos à frente da autoridade monetária israelense. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
israelbcpresidente

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.