Psiquiatra militar mata 12 pessoas em base dos EUA

Um psiquiatra do Exército prestes a ser enviado para o exterior abriu fogo na base militar de Fort Hood, no Texas, nesta quinta-feira, matando 12 pessoas e deixando 31 feridas no pior massacre já ocorrido numa base militar nos EUA. O atirador, dado inicialmente como morto, foi ferido, mas está vivo e em condições estáveis sob vigilância militar, segundo o general Bob Cone, comandante da base.

AE-AP/DOW JONES, Agencia Estado

06 Novembro 2009 | 03h39

"Eu diria que a morte dele não é iminente", disse Cone. O suspeito foi alvejado pelo menos quatro vezes, de acordo com o coronel

Ben Danner. O homem foi identificado como o major Nidal Malik Hasan, de 39 anos e oito de serviço militar, da Virginia.

"Houve um único atirador que atirou várias vezes", afirmou Cone, desmentindo relatos anteriores, de testemunhas que disseram ter visto outras pessoas fugindo do local. Ele confirmou o número de mortos e disse que uma "policial feminina" atingiu Hasan.

O presidente Barack Obama chamou o massacre, no Centro de Preparação de Soldados, onde eram realizados exames médicos nos soldados que seriam enviados ou estavam voltando das frentes de combate, de "uma horrível explosão de violência". "Já é difícil quando perdemos esses valentes americanos em batalhas no exterior", afirmou o presidente. "É horrível que eles possam ficar sob fogo numa base do Exército em solo americano."

Não houve uma declaração oficial sobre os motivos do tiroteio. Hasan havia se transferido para Fort Hood em julho, procedente do Centro Médico Walter Reed, onde seu desempenho foi avaliado como fraco, de acordo com um oficial que falou sob condição de anonimato. O coronel da reserva Terry Lee, que trabalhou com Hasan, informou à rede de TV Fox News que ele seria enviado ao Afeganistão.

Segundo Lee, Hasan esperava que o presidente Barack Obama retirasse as tropas do Afeganistão e do Iraque e frequentemente discutia com outros militares que apoiavam as guerras. As autoridades investigam se Hasan era seu nome de batismo ou se ele mudou de nome, possivelmente como parte da conversão ao islamismo. Porém, não se sabe com certeza qual a religião de Hasan. As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
EUA tiroteio

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.