Publicada 1ª foto de filho que pode suceder líder norte-coreano

Educado na Suíça, caçula de 26 anos seria o escolhido por Kim Jong-il para comandar a Coreia do Norte

Efe,

12 de fevereiro de 2009 | 10h29

Uma foto de infância do terceiro filho do líder norte-coreano, Kim Jong-il, que poderia ter sido designado para suceder o pai, foi divulgada pela primeira vez por um meio de comunicação estrangeiro, informou a agência sul-coreana Yonhap nesta quinta-feira, 12. A televisão pública KBS divulgou uma imagem de Kim Jong-un, o terceiro filho do líder norte-coreano, que agora tem 26 anos, quando tinha apenas 11.   A foto foi entregue pelo japonês Kenji Fujimoto, que trabalhou como cozinheiro pessoal do líder norte-coreano durante 13 anos, desde 1989. Kim Jong-un é filho de Kim Jong-il e de Ko Young-hee, que morreu em 2004, e foi educado na Suíça. Segundo uma fonte do serviço da espionagem sul-coreano, Kim designou o filho em janeiro como seu sucessor depois que, em agosto, o líder norte-coreano sofreu um derrame cerebral.   O ex-cozinheiro do líder comunista disse à KBS que a foto lhe foi entregue em 2001, quando foi embora da Coreia do Norte, e que Kim Jong-un lhe pediu então que voltasse a Pyongyang e levasse para ele óculos de sol. A divulgação da fotografia coincidiu com a mudança na cúpula militar da Coreia do Norte, em meio a uma escalada de tensão na península. Segundo a agência oficial norte-coreana KCNA, o líder norte-coreano nomeou Kim Yong-chun, considerado da ala dura, como novo ministro da Defesa.   Analistas sul-coreanos acham que o novo comando militar norte-coreano pode realizar o lançamento de um míssil, em meio a informações divulgadas sobre a possibilidade de Pyongayng estar se preparando para testar um Taepodong-2. Sobre esse assunto, o ministro de Exteriores sul-coreano, Yu Myung-hwan, pediu que Pyongyang desista de lançar um míssil e disse que isso prejudicaria seriamente as relações entre as duas Coreias e a estabilidade da região.

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do Norte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.