REUTERS/Yves Herman
REUTERS/Yves Herman

Puigdemont se reúne em Bruxelas com presidente do Parlamento catalão

Roger Torrent deve comunicar ao líder separatista que pode convocar plenário de posse no Legislativo regional na próxima terça-feira; Madri impediu realização do encontro na representação catalã na capital belga

O Estado de S.Paulo

24 Janeiro 2018 | 10h23

BRUXELAS - O líder independentista Carles Puigdemont se reuniu nesta quarta-feira, 24, com o presidente do Parlamento catalão, Roger Torrent, em Bruxelas, apesar da ordem do governo espanhol para proibir que a representação da Catalunha na capital belga fosse utilizada para o encontro.

Espanha promete impedir retorno de líder catalão do exílio

Torrent tem a intenção de comunicar a Puigdemont que poderia convocar um plenário de posse no Legislativo regional na próxima terça-feira, 30. Ele também conversou com os outro quatro deputados separatistas, todos ex-secretários do governo cassado por Madri, que estão autoexilados em Bruxelas. 

"Foram dadas instruções à delegação da Generalitat (Executivo catalão) da Catalunha em Bruxelas a fim de que ela não permita essa reunião nos locais da delegação da Catalunha em Bruxelas", disse uma fonte diplomática em Madri.

Desde que a Catalunha foi posta sob intervenção do governo espanhol no fim de outubro após a declaração unilateral de independência feita pelo Legislativo regional, os locais de representação catalã em Bruxelas dependem diretamente do Executivo central, controlado pelo premiê Mariano Rajoy.

Líder deposto defende sua capacidade de governar a Catalunha mesmo na Bélgica

"Não há motivos para impedir a realização desta reunião e nos reservados o direito de estudar as implicações legais que possa ter esta situação", disse Joan María Piqué, porta-voz do partido de Puigdemont.

O encontro entre o governador deposto da Catalunha e o novo presidente do Legislativo faz parte dos esforços de ambos para organizar a sessão do Parlamento regional para oficializar o nome de Puigdemont como líder regional, o que deve acontecer até o fim do mês. 

Acusado pela Justiça espanhola de rebelião, sedição e peculato, ele é o único candidato para formar um novo governo catalão depois das eleições regionais em 21 de dezembro.

Ao todo, oito parlamentares eleitos em dezembro estão impedidos de exercer seu mandato: Puigdemont e seus quatro ex-secretários, e três deputados separatistas que estão em prisão preventiva em cadeias de Madri. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.