Putin analisa crise norte-coreana com enviado chinês

O presidente da Rússia, Vladimir Putin,analisou neste sábado com Tang Jiaxuan, enviado especial do presidente daChina, a crise provocada pelo recente teste nuclear na Coréia doNorte. "Nossos contatos e ações coordenadas em política internacional,especialmente sobre as questões mais sensíveis e agudas, como asituação em torno do programa nuclear norte-coreano, são muitoimportantes", disse Putin ao início da reunião. Tang destacou que o objetivo de sua viagem é "trocar opiniõessobre o problema nuclear norte-coreano", e transmitiu a Putin umamensagem verbal do presidente da China. Putin expressou a confiança de que em breve, durante a cúpula doFórum de Cooperação Econômica da Ásia e do Pacífico, que acontecerána capital vietnamita, Hanói, em 15 de novembro, vai reunir-se com olíder chinês. Também lembrou que o primeiro-ministro russo, MikhailFradkov, viajará a Pequim em breve. Pouco antes, o enviado da presidência chinesa se reuniu com oministro da Defesa da Rússia, Serguei Ivanov, que foi mais explícitoem suas avaliações da crise que ambas as partes compartilham. Referindo-se ao projeto de resolução do Conselho de Segurança daONU, Ivanov destacou que Rússia e China consideram que "o problemanuclear na península de Coréia deve ser resolvido por meiosdiplomáticos e pacíficos". "O uso da força fica, certamente, descartado", enfatizou. Os esforços diplomáticos, indicou Ivanov, devem estar orientadosao retorno às negociações de seis lados (Rússia, Estados Unidos,China, Japão e as duas Coréias). "Com a China, compartilhamos a convicção de que os meios depressão política por parte do Conselho de Segurança não podem tercaráter atemporal e as sanções, se forem aprovadas, deverão serlevantadas assim que as negociações forem reiniciadas", ressaltou. Além disso, as sanções "não deverão ter o mínimo indício de forçanem estar orientadas contra o povo coreano", acrescentou Ivanov. Por sua parte, o representante chinês indicou que os dois países"defendem uma reação internacional forte, mas moderada". "O Conselho de Segurança deve aprovar uma resolução equilibrada emoderada, que permita continuar os esforços diplomáticos" parasuperar a crise, ressaltou. Na sexta-feira, Tang também se reuniu com o secretário doConselho de Segurança da Rússia, Igor Ivanov, e com o ministro russode Assuntos Exteriores, Serguei Lavrov. Após a reunião, Lavrov afirmou que no projeto de resolução sobrea Coréia do Norte que se debate atualmente no Conselho de Segurançada ONU, e que poderia ser aprovado neste sábado, "ainda há elementos quedevem ser detalhados e debatidos". "Estamos trabalhando nisso", concluiu o ministro russo. Entretanto, o vice-ministro de Assuntos Exteriores russo,Alexander Alexeyev, que se encontra em Pyongyang, disse nasexta-feira que o governo da Coréia do Norte estaria disposto aretomar as negociações de seis lados, que interrompeu em novembropassado em resposta a uma série de sanções por parte de Washington Pyongyang "deseja, em um futuro próximo, resolver pela via dasnegociações os problemas relacionados com a desnuclearização dapenínsula da Coréia", disse Alexeyev, negociador russo no grupo dosseis, após reunir-se com seu homólogo norte-coreano, Kim Gye-gwan.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.