Alexei Nikolsky/Sputnik Kremlin Pool via AP
Alexei Nikolsky/Sputnik Kremlin Pool via AP

Putin coloca forças de dissuasão nuclear da Rússia em alerta máximo

Presidente russo tenta pressionar países ocidentais após anúncio de sanções

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de fevereiro de 2022 | 10h38
Atualizado 27 de fevereiro de 2022 | 13h42

KIEV - O presidente Vladimir Putin ordenou neste domingo, 27,que as forças de dissuasão nuclear russas sejam colocadas em alerta máximo, em uma dramática escalada das tensões entre a Rússia e o Ocidente em torno da invasão da Ucrânia.

Na prática, a medida coloca as armas nucleares da Rússia em prontidão de lançamento, aumentando os temores de que a invasão possa se transformar numa guerra nuclear. Até o momento, no entanto, não há indicativos de que Putin tenha planos concretos de utilizá-las.

A ameaça vem após os Estados Unidos e a Europa imporem duras sanções contra a Rússia e o próprio Putin. 

Falando em uma reunião com seus altos funcionários, Putin afirmou no domingo que as principais potências da Otan fizeram "declarações agressivas” contra seu país.

"Os países ocidentais não estão apenas tomando ações hostis contra nosso país na esfera econômica, mas altos funcionários dos principais membros da Otan fizeram declarações agressivas sobre nosso país", disse Putin em comentários televisionados.

O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, chamou a decisão de Putin de irresponsável. "É uma retórica perigosa que, combinada com o que ele está fazendo na Ucrânia, amplia a gravidade da situação", disse Stoltenberg à CNN. 

Putin havia prometido, nesta semana, retaliações contra qualquer nação que interviesse diretamente no conflito na Ucrânia, citando o status de seu país como uma potência nuclear.

A embaixadora dos EUA nas Nações Unidas, Linda Thomas-Greenfield, respondeu às ameaças enquanto participava de um programa de notícias neste domingo. "O presidente Putin continua a escalar esta guerra de uma maneira totalmente inaceitável", disse a embaixadora Thomas-Greenfield. “E temos que continuar a condenar suas ações da maneira mais forte possível”./AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.