Putin critica Ocidente por ''''corrida armamentista''''

O presidente russo, Vladimir Putin, criticou severamente o Ocidente por sua expansão militar e estabeleceu um plano ambicioso dos objetivos que a Rússia tem de cumprir pelos próximos 12 anos. As declarações foram feitas ontem em um discurso ao Conselho de Estado. A menos de um mês das eleições presidenciais de 2 de março, o discurso de Putin serviu como um testamento de todas suas conquistas nos oito anos em que ficou no poder, e também foi um sinal de que suas políticas devem continuar no governo do homem que ele apontou como seu sucessor: o vice-primeiro-ministro Dmitri Medvedev.Durante o discurso, porém, o presidente não mencionou em nenhum momento o nome de Medvedev ou fez referência a um próximo governo. O vice-premiê, favorito nas eleições de março, já afirmou várias vezes que, se eleito, nomeará Putin como seu primeiro-ministro. A Constituição russa não permite que Putin cumpra um terceiro mandato.O presidente falou durante cerca de 50 minutos e seu discurso foi transmitido em rede nacional. Putin também disse que está em curso uma nova corrida armamentista global e a Rússia está "forçada a adotar passos retaliatórios" com novas armas de alta tecnologia. "Não é nossa culpa, pois não fomos nós que começamos (a corrida)", afirmou Putin. Ele também criticou a aproximação da Otan das fronteiras com a Rússia e reiterou sua posição contrária ao escudo antimíssil que os EUA desejam instalar na Europa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.