Putin dá sinais de que pretende voltar à Presidência

Primeiro-ministro russo não confirmou candidatura, mas indicou que pensa em retornar ao cargo.

BBC Brasil, BBC

12 de setembro de 2009 | 00h57

O primeiro-ministro da Rússia, Vladimir Putin, deu nesta sexta-feira uma indicação de que poderá concorrer à Presidência quando o mandato de Dmitry Medvedev, seu aliado político, terminar em 2012.

Putin não confirmou uma candidatura, mas deu sinais de que pensa em voltar à Presidência, cargo que já ocupou por dois mandatos consecutivos.

Ao discursar para uma platéia de jornalistas e acadêmicos estrangeiros em Moscou, o premiê russo disse que não haverá competição entre ele e Medvedev e que qualquer decisão será tomada após acordo entre os dois.

"Nós por acaso competimos um contra o outro em 2007 (antes da última eleição presidencial)? Não. E nós também não vamos competir em 2012. Nós chegaremos a um acordo", disse.

Segundo a analista diplomática da BBC Bridget Kendall, Putin, como sempre preocupado com a imagem que críticos no exterior podem ter de seu comportamento, fez uma analogia com a Grã-Bretanha, defendendo a noção de um político passando o bastão da liderança para um aliado sem a realização de consulta mais ampla.

"Quando meu amigo Tony Blair se aposentou, Gordon Brown se tornou primeiro-ministro imediatamente", afirmou. "O povo britânico foi consultado sobre isso? Não. Houve uma mudança de liderança no país e foram eles dois que decidiram."

Popularidade

Putin foi obrigado a deixar a Presidência em 2008, porque a Constituição russa não permite um terceiro mandato consecutivo para o presidente.

Segundo a analista da BBC, o ex-presidente permanece extremamente popular na Rússia, apesar da atual crise econômica que o país atravessa, e sua possível candidatura provavelmente não seria vista com surpresa pela maioria dos russos.

Kendall também afirma que o premiê tem como uma de suas prioridades manter-se em evidência. No último verão russo, ele chegou a posar para fotos sem camisa durante suas férias.

A analista da BBC diz que, no entanto, ainda não se sabe como o presidente Medvedev vê a questão da sucessão.

Analistas russos questionam se os dois líderes realmente trabalham em cooperação ou se a relação esconde tensões.

Segundo Kendall, seja qual for o verdadeiro relacionamento entre os dois, os comentários feitos por Putin são importantes.

O mandato presidencial na Rússia foi ampliado para seis anos. Caso Putin realmente volte à Presidência em 2012 e cumpra os dois mandatos a que tem direito, ele poderá governar o país até 2024.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
rússiaputinmedvedev

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.