Putin defende reestruturação mais justa da economia global

Presidente russo defende aparição de várias divisas mundiais de reserva

Agencia Estado

15 Junho 2007 | 02h48

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, defendeu neste domingo, 10, a reestruturação da economia mundial e a criação de uma "arquitetura das relações econômicas" mais justa e mais de acordo com o mundo atual."Estou convencido de que as palavras gerais sobre uma distribuição justa de recursos e investimentos não pode resolver nada. Para um desenvolvimento estável é imprescindível configurar uma nova estrutura das relações econômicas internacionais", declarou o líder russo no Fórum Econômico realizado na antiga capital imperial russa.O chefe do Kremlin destacou que o desequilíbrio na economia global "é sentido com uma força cada vez maior" e "se agrava a diferença entre os países pobres e os ricos"."O mundo muda a olhos vistos e os países que ainda ontem pareciam irremediavelmente atrasados, hoje se transformam nas economias de mais rápido crescimento", afirmou.Putin lembrou que há 50 anos 60% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial correspondia aos oito países mais desenvolvidos (Estados Unidos, Japão, Alemanha, Grã-Bretanha, França, Canadá, Itália e Rússia) e agora a mesma percentagem é gerada fora deles."Os países emergentes ocupam cada vez mais novos espaços não só no comércio de mercadorias, mas também de serviços e entram na concorrência de altas tecnologias e desenvolvimento científico", ressaltou.Para um desenvolvimento estável da economia mundial, "é imprescindível configurar uma nova estrutura das relações econômicas internacionais", indicou Putin.Além disso, "é óbvio que o sistema financeiro mundial, atado de fato a uma ou duas moedas e a um limitado número de centros financeiros, já não reflete as necessidades correntes e estratégicas da economia global", disse.As organizações financeiras mundiais "precisam uma profunda reestruturação", pois "foram constituídas para uma realidade totalmente diferente e não conseguem encontrar seu lugar em condições de um crescimento econômico estável da maioria dos países emergentes", afirmou."A resposta a este desafio é única: a aparição de várias divisas mundiais de reserva, de vários centros financeiros", afirmou Putin, ao dizer que "hoje é imprescindível criar as premissas para diversificar os ativos do sistema financeiro mundial".

Mais conteúdo sobre:
RússiaPutineconomia global

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.