Putin demite ministro da Defesa por suspeita de fraude

O presidente russo, Vladimir Putin, demitiu hoje o ministro da Defesa, Anatoly Serdyukov, duas semanas depois que um inquérito criminal foi aberto para averiguar uma possível fraude na venda de ativos militares. Putin fez o anúncio durante uma reunião em Moscou com o governador regional Sergei Shoigu, indicado pelo presidente para assumir o cargo.

AE, Agência Estado

06 de novembro de 2012 | 11h40

Sem entrar em detalhes, o presidente disse que tomou a decisão para "criar condições para a realização de uma investigação objetiva de todos os aspectos", incluindo o ministério.

As investigações apontam para a venda de ativos, inclusive imóveis, a preços muito abaixo do valor de mercado. De acordo com o Comitê Investigativo, a Rússia sofreu um prejuízo de 3 bilhões de rublos (US$ 95 milhões) com a fraude.

Nos últimos anos, o setor militar da Rússia tem sido assombrado por acusações de corrupção e muitos oficiais do alto escalão do Exército foram condenados por envolvimento em esquemas fraudulentos.

O caso anunciado no mês passado envolve a Oboronservice, uma empresa estatal, cujas atividades incluem a construção de edifícios militares e a manutenção de armas e aeronaves. Os investigadores examinaram os escritórios da Oboronservice e o apartamento de um alto executivo da companhia, que já havia liderado o departamento de propriedades do Ministério da Defesa.

O porta-voz do Comitê Investigativo, Vladimir Markin, disse que o ex-ministro da Defesa, Serdyukov, será investigado no inquérito "se houver necessidade".

Serdyukov era um executivo de setor de equipamentos e chefe dos serviços fiscais da Rússia antes de ser indicado a ministro da Defesa em 2007. Ele tornou-se impopular entre a cúpula militar devido a reformas para reduzir o inchado exército russo. Sob o comando de Serdyukov, cerca de 200 mil funcionários perderam seus empregos e muitas unidades foram fechadas. Ainda não está claro se a demissão mudará as reformas em curso. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Rússiademissão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.