Putin demite primeiro-ministro em discurso pela tevê

Numa clara demonstração de seu poder, o presidente Vladimir Putin demitiu hoje o primeiro-ministro Mikhail Kasyanov, o último grande remanescente da era Boris Yeltsin, e seu gabinete menos de três semanas antes das eleições presidenciais. Num discurso na tevê estatal, Putin explicou que a medida "não tem relação com qualquer avaliação da performance do governo. Ela foi ditada pelo meu desejo de, mais uma vez, delinear minha posição sobre que curso de desenvolvimento o país tomará depois de 14 de março de 2004", o dia da eleição presidencial.Observadores interpretaram o afastamento de Kasyanov como parte de esforços de Putin para apagar a herança de se predecessor, Yeltsin, e, assim, ampliar ainda mais o apoio público antes da votação. "Putin quer ir às urnas com uma clara mensagem, não apenas estabelecendo as tarefas mas dizendo quem as implementará", avaliou o analista Gleb Pavlovsky, que tem estreitos laços com o Kremlin.Ao contrário de democracias parlamentares, o primeiro-ministro da Rússia não governa o país. Ele é responsável por definir a política econômica e coordenar o trabalho de outros ministérios, apesar de as pastas da Defesa e do Interior responderem diretamente ao presidente. Kasyanov vinha sendo elogiado por seu trabalho na renegociação e no pagamento da enorme dívida externa da Rússia. Mas a mídia russa noticiou que ele teria recebido suborno das negociações e se refere a ele como "Misha 2 por cento".Figuras do círculo de São Petersburgo de PutinRumores sobre a renúncia de Kasyanov foram freqüentes durante os quatros anos de poder de Putin, e críticas feitas pelo primeiro-ministro à investigação oficial da gigante petrolífera Yukos reavivaram especulações sobre sua iminente queda. Kasyanov dizia que a investigação, incluindo a prisão do chefe da Yukos Mikhail Khodorkovsky e o congelamento de 40% das ações da companhia, estabelecia um perigoso precedente para a recuperação da economia. Suas críticas foram vistas como um desafio ao Kremlin, que teria instigado a investigação para conter as ambições políticas de Khodorkovsky.A demissão do premier significa que todos os demais ministros foram também afastados, apesar de alguns poderem ser reconduzidos ao cargo. O vice-primeiro-ministro Viktor Khristenko, um veterano no gabinete, foi nomeado premier interino. Entre os mais cotados para assumir o cargo estão Alexei Kudrin, um economista liberal que compartilha as raízes de São Petersburgo de Putin; o ministro da Defesa Sergei Ivanov, um veterano da KGB; e Boris Alyoshin, um vice-primeiro-ministro responsável pelo complexo industrial militar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.