Putin descarta volta antecipada à Presidência russa

Primeiro-ministro diz que vai esperar até eleições de 2012 para decidir se disputa cargo

Da BBC Brasil, BBC

04 de dezembro de 2008 | 12h57

O primeiro-ministro da Rússia, Vladimir Putin, disse nesta quinta-feira, 4, que pretende esperar até 2012 - data das próximas eleições - para decidir se vai ou não concorrer novamente à Presidência do país.   Veja também:  Putin espera 'mudanças positivas' com EUA no governo Obama "A próxima eleição presidencial será realizada em 2012", disse Putin, em um programa de televisão russo em que foi questionado por telespectadores. "Por enquanto, todos devem cumprir suas obrigações em seus respectivos cargos." Há uma crescente especulação de que Putin, que já ocupou a Presidência russa por dois mandatos consecutivos, estaria planejando retornar ao cargo em breve. No mês passado, a Câmara Baixa do Parlamento da Rússia (Duma) aprovou um projeto de lei que estende o mandato presidencial de quatro para seis anos. Segundo o correspondente da BBC em Moscou, Richard Galpin, a votação do projeto foi apressada e é considerada um sinal de que Putin deve retornar à Presidência russa em breve. Putin foi obrigado a deixar a Presidência neste ano, porque a Constituição russa não permite um terceiro mandato consecutivo para o presidente. Ele foi substituído por Dmitry Medvedev, seu aliado, eleito em maio.   Sobre seu substituto, Putin disse que ambos formam uma dupla muito eficiente. "Nós trabalhamos juntos há muitos anos", afirmou o primeiro-ministro. Putin também respondeu a uma pergunta de um telespectador sobre as relações da Rússia com os Estados Unidos. Segundo o primeiro-ministro russo, as relações entre seu país e o governo americano vão melhorar imediatamente caso os sinais positivos dados pelo presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, tornem-se realidade.   BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
putinrússiakremlinmedvedev

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.