Khalil Ashawi/Reuters
Khalil Ashawi/Reuters

Putin discute medidas de paz na Síria com Assad em telefonema

Presidente russo pediu que o governo sírio que faça o que puder para aliviar o sofrimento dos civis

O Estado de S. Paulo,

14 de novembro de 2013 | 15h48

MOSCOU - Os presidentes russo, Vladimir Putin, e sírio, Bashar Assad, discutiram planos para uma conferência de paz e o progresso do processo de eliminação das armas químicas sírias durante um telefonema nesta quinta-feira, 14, informou o Kremlin.

O governo russo não deu detalhes, mas disse que Putin pediu que Assad faça tudo o que puder para aliviar o sofrimento dos civis e "avaliou positivamente" a prontidão do governo sírio para enviar uma delegação às negociações de paz planejadas.

Putin também disse estar preocupado com o que chamou de perseguição a cristãos e a outras minorias religiosas por parte de extremistas na Síria, informou o serviço de imprensa do Kremlin. "Foi expressa a esperança de que o governo da Síria fará tudo o que for possível para aliviar o sofrimento da população civil e restabelecer a paz entre as religiões", disse o comunicado do Kremlin.

O presidente russo "manifestou satisfação" com a cooperação da Síria com uma missão internacional que supervisiona a eliminação das armas químicas após um acordo mediado por Rússia e EUA. Washington e Moscou também tentam organizar uma conferência internacional de paz em Genebra.

O comunicado pareceu ter a intenção de retratar o presidente sírio como tendo uma abordagem construtiva em relação aos esforços para assegurar a paz em seu país depois de uma guerra civil de mais de dois anos e meio e reforçar o papel da Rússia como interlocutora.

A Rússia é a principal defensora internacional de Assad durante o conflito, enviando armas e bloqueando os esforços de potências ocidentais para condenar ou pressionar o governo sírio. Moscou diz que não está tentando manter o regime Assad, mas que a saída dele não pode ser uma precondição para as negociações de paz./ REUTERS

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.