Putin diz que aceita diálogo com rebeldes chechenos

Em uma drástica mudança de atitude, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse nesta sexta-feira que seu governo poderia iniciar negociações de paz com o líder dos rebeldes chechenos, desde que este se proponha a pôr um fim em sua luta pela independência e desarme todos os militantes insurgentes. "As conversações são sempre preferíveis que" o "uso da força", afirmou Putin na cidade de Kislovodsk, onde dialogou com funcionários regionais sobre a situação na Chechênia. Até hoje, o Kremlin havia rejeitado sistematicamente qualquer negociação com os rebeldes, indicando que prosseguiria em sua ofensiva militar até derrotar os separatistas. Putin fez a declaração no momento em que as tropas russas, que retornaram à Chechênia há quase dois anos, continuam sofrendo baixas diárias em mãos dos rebeldes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.