Serhii Nuzhnenko/Reuters - 2/3/2022
Serhii Nuzhnenko/Reuters - 2/3/2022

Putin diz que se Ucrânia seguir lutando pode deixar de ser um país independente

Líder russo adota uma retórica mais agressiva contra a resistência ucraniana à invasão do país e às sanções impostas pelo Ocidente

Redação, O Estado de S.Paulo

05 de março de 2022 | 18h22

MOSCOU - O presidente da Rússia, Vladimir Putin, adotou neste sábado, 5, uma retórica mais agressiva contra a resistência ucraniana à invasão do país e às sanções impostas pelo Ocidente. O chefe do Kremlin alertou o governo da Ucrânia que se continuar a luta contra os russos o país pode deixar de ser um estado independente. Putin também afirmou que as sanções à economia russa são comparáveis a uma declaração de guerra. 

No front, a Ucrânia acusou os russos de violarem uma trégua negociada para retirar civis de Mariupol, que há dias sofre um cerco de tropas do Kremlin. 

“A liderança atual da Ucrânia precisa entender que se continuarem a fazer o que estão fazendo, colocarão a existência do Estado ucraniano em risco”, disse Putin, em uma reunião em Moscou para homenagear o Dia da Mulher. “Se isso acontecer, a culpa será deles."

No pronunciamento, Putin pareceu resumir a estratégia militar russa na invasão. Ele ainda afirmou que a imposição de uma zona de exclusão aérea sobre a Ucrânia teria consequências catastróficas para a Europa e o mundo.

“Leva tempo para destruir sistemas de defesa aéreos e armazéns de arma, munição e aviação”, disse o líder russo. “Mas este trabalho está praticamente concluído.”

A Otan tem resistido aos pedidos da Ucrânia pra destruir aviões russos que atacam o país pois isso implicaria, na prática, a uma declaração de guerra ao Kremlin.

Trégua localizada fracassa

 As autoridades ucranianas adiaram a retirada dos habitantes do porto estratégico de Mariupol, cercado pelas forças russas e sem energia elétrica, alimentos, água, gás e transportes. Os ucranianos acusam a Rússia de continuar o bombardeio de Mariupol e seus arredores e violar a trégua, impedindo civis pudessem deixar a cidade sitiada.

Putin disse que as forças ucranianas sabotaram as retiradas. “Em Mariupol, por exemplo, onde está acontecendo agora enquanto falamos: eles ligaram do governo, de Kiev, falaram com nossos militares – façam um corredor para fazer os cidadãos saírem. É claro que eles reagiram imediatamente, interromperam todas as atividades militares”, disse Putin. “Eles olharam para o que estava acontecendo: não soltaram ninguém! Eles os usaram como escudos humanos.”

 

Pedido de ajuda

 O presidente da Ucrânia, Volodmir Zelenski pediu ontem o endurecimento das sanções econômicas contra a Rússia, em especial a proibição de importações de petróleo e gás russos, assim como a suspensão da Rússia dos cartões de crédito Visa e Mastercard, segundo os representantes.

O presidente ucraniano também fez um apelo para que os países do leste europeu lhe fornecessem aviões para lutar com os russos. 

Os apelos do líder ucraniano foram feitos durante uma videoconferência com mais e 300 membros do Congresso americano. 

Os parlamentares, tanto republicanos quanto democratas, prometeram desbloquear US$ 10 bilhões em ajuda para a Ucrânia, cuja metade seria destinada à área militar. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.