Putin diz que sente inveja de Katsav e constrange Olmert

O primeiro-ministro israelense, EhudOlmert, se sentiu constrangido pelos comentários de Vladimir Putin, que afirmou sentir inveja do presidente de Israel, Moshe Katsav, acusado de abusos e assédio sexual, disseram fontes próximas a Olmert. A polêmica surgiu na quinta-feira, quando o jornal"Kommersant" publicou frases atribuídas ao presidente russo antes de sua reunião de terça-feira com Olmert, quando achava que os microfones já tinham sido desligados. "Transmita minhas saudações a seu presidente. Vai, garanhão!Violar 10 mulheres! Não esperava isso dele. Surpreendeu todo mundo. Todos nós estamos com inveja", disse Putin. Segundo o repórter do "Kommersant" credenciado no Kremlin, Putin pronunciou estas frases após a troca de cumprimentos entre as duas delegações, quando a imprensa já abandonava a sala e o presidente russo achava que os microfones tinham sido desligados. Fontes que estiveram no encontro entre os dois governantes em Moscou consideraram pouco diplomáticas as declarações de Putinsobre Katsav. Elas provocaram alguns sorrisos entre os diplomatas presentes na sala. Quando as declarações foram traduzidas a Olmert, oprimeiro-ministro israelense se mostrou constrangido, acrescentaram as fontes. "Imagina-se que Putin queria expressar seu apoio ao senhor Olmert, que ficou numa situação complicada por causa do presidenteMoshe Katsav", comentou o jornal russo. O repórter admitiu que "não acreditava no que estava ouvindo". Aos 61 anos, presidente desde 2000, Katsav é suspeito de violação de funcionárias, agressão sexual, assédio, prevaricação, obstrução à Justiça, escutas telefônicas de seus funcionários,malversação de fundos públicos e violação de confiança. No entanto, insiste em continuar à frente da Presidência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.