Putin diz Rússia apoia plano de Annan para Síria

O presidente Vladimir Putin disse que a Rússia quer ajudar o enviado especial da Organização das Nações Unidas (ONU) e da Liga Árabe, Kofi Annan, a chegar a "resultados positivos" e a evitar uma ampla guerra civil na Síria.

AE, Agência Estado

01 de junho de 2012 | 10h48

As declarações foram feitas após uma reunião com a chanceler alemã Angela Merkel nesta sexta-feira, em Berlim. Esta é a primeira viagem para o exterior de Putin desde que ele voltou à presidência russa. Ele rejeitou as acusações de que Moscou está apoiando o regime de Bashar Assad e afirmou que não apoia nenhum lado do conflito sírio.

Putin declarou que a Rússia vai permanecer em contado com Assad e com a liderança sírias e que vai fazer "tudo para resolver o conflito". Ele afirmou que nada pode ser imposto pela força, mas foi vago a respeito de quais "instrumentos políticos" a Rússia está preparada para usar.

Segundo ele, uma solução política é possível, mas é preciso paciência. O presidente afirmou que é contrário a uma ação unilateral contra o governo de Assad e que quer evitar o aumento da violência no país. As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.