Putin e a democracia

Para Gorbachev, o premiê russo e o presidente Medvedev creem que precisam do autoritarismo para governar

CLIFFORD J. LEVY, O Estado de S.Paulo

30 de outubro de 2010 | 00h00

Mikhail Gorbachev, que já chegou a apoiar Vladimir Putin, vem expressando cada vez mais sua frustração com a liderança do primeiro ministro russo, afirmando que ele prejudica a florescente democracia russa quando procura obstruir as forças de oposição. "Para ele, a democracia é um obstáculo em seu caminho", disse o ex-presidente.

"Temo que eles tenham a ideia arraigada de que este país incontrolável precisa de autoritarismo", disse Gorbachev, referindo-se a Putin e seu aliado, o presidente Dimitri Medvedev. "Eles acham que precisam dele para governar."

Em entrevista, Gorbachev descreveu o partido de Putin, no governo, a Rússia Unida, como "uma cópia ruim do Partido Comunista soviético". Segundo ele, os membros do partido estão preocupados em agarrar-se ao poder e não querem que os russos participem da vida cívica.

Gorbachev mostrou-se especialmente decepcionado com a decisão de Putin, em 2004, quando ele era presidente, de abolir eleições para governadores regionais e prefeitos de Moscou e São Petersburgo.

Hoje, esses cargos são preenchidos por pessoas nomeadas pelo Kremlin. O impacto dessa mudança ficou claro quando, no mês passado, Medvedev exonerou o prefeito de Moscou, que foi substituído por um político leal a Putin.

"Democracia começa com eleições", afirmou Gorbachev. "Eleições, responsabilidade perante a sociedade e renovação." As críticas feitas por Gorbachev ao premiê não são novas, mas têm ficado mais contundentes, pois, segundo o ex-presidente, Putin colocou a Rússia no caminho de uma democracia funcional, mas seu avanço está sendo obstruído pelo chefe de governo.

Nem Putin, nem Medvedev responderam aos comentários. Questionado a respeito, o porta-voz de Putin, Dimitri Peskov, respondeu: "Temos o mais profundo respeito por Gorbachev e certamente respeitamos as opiniões dele. Mas não significa que concordamos com ele."

O porta-voz afirmou que os partidos de oposição não obtiveram ganhos na Rússia, pois seus líderes são impopulares e não elaboraram plataformas atrativas: "Nem Putin, pessoalmente, e tampouco a Rússia Unida, podem ser responsabilizados pela incapacidade dos outros partidos de produzir alguma coisa promissora para os cidadãos."

Quase duas décadas depois do colapso da União Soviética, a posição de Gorbachev ainda é incômoda dentro da sociedade russa. Sem dúvida, ele é mais respeitado no exterior do que em seu país, em parte porque muita gente o responsabiliza pelo caos político e econômico dos anos 90.

Gorbachev controla, em parte, o importante jornal Novaya Gazeta, que teve vários jornalistas assassinados ou feridos em atentados. Tentou formar um partido político para concorrer nas eleições legislativas de 2011, mas desistiu diante dos enormes obstáculos legais.

"Para aqueles que desejam mudar o país, de modo que essa mudança se processe com rapidez e o avanço democrático prossiga, é necessária a participação do povo. É necessário ter partidos. Mas tente registrar um partido!"

Putin, que se tornou premiê em 2008, por estar impedido de disputar um terceiro mandato, estaria pensando em voltar à presidência. "A Rússia tem um longo caminho para entrar num novo sistema de valores, criar e manter o funcionamento adequado das instituições e dos mecanismos da democracia - instituições da sociedade civil", afirmou Gorbachev. "Tudo ocorre por meio de uma grande transformação no cérebro das pessoas. E essa transformação, está claro, vem ocorrendo muito lentamente". / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

É JORNALISTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.