Al Drago/The New York Times
Al Drago/The New York Times

Putin e Trump se reunirão antes da cúpula do G-20 em julho, diz Kremlin

Porta-voz do governo russo disse que assessores dos dois presidentes trabalham para definir uma possível data e local para o encontro em território neutro; cúpula está marcada para 7 e 8 de julho

O Estado de S. Paulo

30 Janeiro 2017 | 11h11

MOSCOU - Os presidentes da Rússia, Vladimir Putin, e dos Estados Unidos, Donald Trump, se reunirão antes da cúpula do G-20, marcada para 7 e 8 de julho em Hamburgo, Alemanha, informou nesta segunda-feira, 30, o Kremlin. O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, disse que assessores dos dois líderes trabalham sobre a possível data e o local do encontro em território neutro. "Pelo visto, assim será", disse Peskov.

Trump e Putin conversaram sobre a reunião por telefone no sábado, o primeiro contato entre eles depois da posse do republicano. Os dois acertaram manter contatos regulares para normalizar as relações bilaterais, que estão no pior momento desde o fim da Guerra Fria. Peskov disse que a conversa foi "boa e produtiva", já que abordou todo o espectro da agenda bilateral e internacional, incluindo o terrorismo e a resolução de conflitos.

No entanto, o porta-voz do Kremlin disse que não foram fechados acordos concretos durante a ligação e reiterou que os dois não chegaram a abordar as sanções impostas à Rússia pela anexação da península da Crimeia e pela ingerência na Ucrânia.

"Falar agora sobre algum tipo de acordo é dificilmente possível, já que é preciso determinar a data e o local da reunião dos dois presidentes. Durante esse encontro, os líderes terão a possibilidade de seguir abordando de maneira mais profunda os temas tratados por telefone", afirmou Peskov.

O porta-voz do Kremlin destacou que ambos ressaltaram o "respeito" como importante princípio nas relações bilaterais e citou que a falta de respeito nos governos anteriores foi, em grande medida, o motivo da degradação da cooperação.

"Vimos em Trump a vontade de solucionar problemas complexos através de negociações, pela via do diálogo, o que o presidente Putin esteve pedindo, mas que, infelizmente, não encontrou resposta nos últimos anos", destacou o representante do governo russo.

Sobre as críticas à política migratória de Trump por outros líderes, Peskov foi sucinto: "Não é assunto nosso".

Putin e Trump acertaram no sábado que Rússia e EUA coordenariam suas ações para acabar com o Estado Islâmico e outros grupos terroristas na Síria. "A Rússia apoiou os EUA durante os últimos dois séculos, foi seu aliado em duas guerras mundiais e agora vê os EUA como seu principal parceiro na luta contra o terrorismo internacional", disse Putin.

Até agora, Putin e Trump só tinham conversado em uma ocasião, quando o presidente russo ligou para o republicano para parabenizá-lo pela vitória nas eleições de 20 de novembro. Trump nunca escondeu sua admiração por Putin, enquanto o republicano defendeu o presidente russo das críticas de Barack Obama. / EFE e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.